Pesquisar
, ,

Europa: mais um passo em direção à normalização da extrema-direita

É verdade que o terremoto que alguns previram não aconteceu, mas, pela quinta vez consecutiva, a extrema-direita melhora seus resultados na Europa
Jaime Bordel Gil
A líder do partido de extrema-direita Reagrupamento Nacional, Marine Le Pen, discursa em ato na Espanha organizado pelo também ultradireitista VOX. (Foto: VOX / Flickr)

Na noite de 9 de junho fecharam-se as urnas das tão temidas eleições europeias de 2024. As eleições da mudança de fase, da irrupção da extrema-direita ou do rompimento da grande coalizão. No final, não foi para tanto, e as piores previsões de uma possível maioria de direita alternativa não se concretizaram.

É verdade que o terremoto que alguns previram não aconteceu, mas já faz algum tempo que as placas tectônicas da União Europeia estão se movendo na mesma direção. A extrema-direita melhorou seus resultados pela quinta vez consecutiva, o que não deveria deixar ninguém indiferente. A grande coalizão não se romperá, e as instituições europeias não entrarão em colapso por causa da mudança sísmica da ultradireita. Mas, há algum tempo, os pilares europeus vêm sendo abalados por um movimento tectônico de ultradireita que, em algum momento, pode derrubar a casa.

A extrema-direita cresce, mas não arrasa

Se analisarmos os resultados a nível europeu, além das vitórias na França e na Itália, parece que a extrema-direita não está crescendo tanto quanto se esperava. Os Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) de Giorgia Meloni ganharam quatro assentos, mas não ultrapassaram os Liberais de Renovar a Europa, que perderam 22 assentos, mas continuaram sendo o terceiro maior grupo, com 80 eurodeputados. A coalizão Identidade e Democracia (ID), o grupo de Le Pen e Salvini, aumentou em nove deputados, mas, com 58 assentos, continua sendo a quinta maior força na câmara e seu crescimento foi prejudicado pela saída da Alternativa para a Alemanha (AfD), que teria lhe dado 15 deputados.

Esses números podem variar um pouco e, se forem incluídos alguns deputados que agora estão entre os não-inscritos, como os do Fidesz (União Cívica Húngara) de Viktor Orbán, o ECR poderia ficar em terceiro lugar, à frente dos liberais. Entretanto, isso não alteraria significativamente as maiorias no Parlamento Europeu, onde a grande coalizão entre o Partido Popular, os social-democratas e os liberais continuará a conduzir as principais políticas da UE. No entanto, o Partido Popular Europeu (PPE) terá uma arma que lhe dará poder de barganha em relação a seus parceiros: a possibilidade de impedir determinadas leis por meio de acordos com a extrema-direita.

A soma do EPP e dos partidos da direita radical não é suficiente para formar uma maioria alternativa que, como pretendia Giorgia Meloni, deixasse de fora os social-democratas. Entretanto, os 184 membros do EPP, juntamente com os dois grupos de extrema-direita, poderiam ser suficientes para torpedear a legislação em questões fundamentais, como a transição ecológica. Além disso, cerca de 30 eurodeputados não filiados também têm posições de extrema-direita (15 do AfD, 11 do Fidesz ou os três do Alvise), o que complica ainda mais a agenda verde e social da UE.

Por enquanto, a direita radical não derrubará o edifício europeu, mas sua capacidade de influência aumentará nesse novo período. Eles ainda não são fortes o suficiente para derrubar tudo, mas, eleição após eleição, suas ideias continuam impregnando a agenda europeia. Na legislatura anterior, eles já contribuíram para legislações importantes, como o Pacto Europeu de Migração, no qual, apesar de votar contra muitas das moções, Jorge Buxadé se tornou relator de uma delas sobre a criação de um banco de dados biométrico de imigrantes irregulares. Provavelmente começaremos esse mandato de cinco anos com um comissário de peso eleito pela extrema-direita, que, com Giorgia Meloni no Conselho Europeu, terá muito mais a dizer do que em 2019. Veremos onde terminaremos.

Mais do que um “antes e depois”, essas eleições representam outro capítulo na normalização e integração progressivas da extrema-direita na política europeia. Suas ideias vieram para ficar e, embora no momento não tenham a capacidade de liderar maiorias ou eleger presidentes do Parlamento Europeu ou da Comissão Europeia, estão conseguindo alterar os marcos de vários debates, como a imigração ou a transição ecológica. Esse é o perigo real, e essa eleição reforça o fato de que continuamos a falar sobre essas questões nos termos que Meloni, Orban ou Le Pen desejam. 

O bipartidarismo resiste

Outro ponto que acho que precisa ser enfatizado sobre essa eleição é que o sistema bipartidário está se resistindo mais do que muitos esperavam. É verdade que os bons e velhos tempos da soma das duas grandes famílias acima de 400 deputados nunca mais voltarão, mas, pela primeira vez desde 2004, o Partido Popular e os socialistas não perderam deputados em conjunto, quebrando uma tendência que parecia irreversível. 

O EPP ganhou nove cadeiras, vencendo as eleições em três dos cinco estados mais populosos: Alemanha, Espanha e Polônia. E os social-democratas obtiveram 137, um pouco abaixo dos 139 da última legislatura, evitando a queda prevista por quase todas as pesquisas. Os que entraram em colapso foram os liberais e os verdes, que perderam cerca de vinte cadeiras cada. 

Como eu disse, os grandes dias da hegemonia social-democrata já passaram há muito tempo, mas além da resistência da social-democracia ibérica – a única, juntamente com os cipriotas, a ultrapassar os 30% – há alguns brotos verdes que convidam essa família a ficar moderadamente satisfeita. Na França e na Grécia, dois dos exemplos paradigmáticos da crise nesse espaço, o Pasok e o PSF, que há muito tempo pareciam ter sido descartados, estão hoje novamente disputando a liderança da oposição. Na Itália, o Partito Democratico (PD), apesar dos resultados insuficientes, venceu o jogo da oposição contra o Movimento 5 Stelle e está consolidando sua posição como a principal força de oposição ao governo de Giorgia Meloni. E na Holanda, uma coalizão com os Verdes conseguiu vencer o ultraconservador Geert Wilders.

É claro que a situação dos social-democratas não é a ideal, mas se olharmos dez anos atrás, muitos dos partidos que pareciam estar à beira do desaparecimento se recuperaram e podem até ser uma alternativa de governo em alguns anos. Isso está diretamente ligado à crise de uma esquerda alternativa que, em muitos países europeus, deixou de ser uma alternativa viável para se tornar um espaço minoritário. 

Na França e na Espanha, esses espaços que antes faziam tremer as pernas dos socialistas agora estão divididos e subordinados. Na Grécia, o Syriza continua sendo a segunda força, mas em 2019 estava liderando a centro-esquerda por 15 pontos e um milhão de votos, uma diferença que agora diminuiu para apenas 2%. 

No norte da Europa, as coisas parecem estar indo um pouco melhor e a Esquerda Verde, antigo Partido Popular Socialista, venceu as eleições na Dinamarca, enquanto na Finlândia a Aliança de Esquerda – membro do The Left – é a segunda força, com 17% dos votos. Curiosamente, foi nessa região que a extrema-direita sofreu a maior queda, ficando em sexto lugar na Finlândia, quarto na Suécia e nono na Dinamarca. Esses resultados dão um vislumbre de esperança e mostram à esquerda em outras partes do mundo uma maneira de derrotar a extrema-direita.

Esse é o panorama que estamos enfrentando. Diante de uma extrema-direita que está gradualmente ganhando poder e influência no âmbito europeu, os únicos que parecem ser capazes de resistir à ultradireita são as duas organizações tradicionais, o EPP e os social-democratas. Os primeiros, cada vez com menos vergonha de fazer pactos com a direita radical, continuam insistindo em fazer uma distinção entre os ultradireitistas bons – os atlantistas, como Meloni e os poloneses do Lei e Justiça –, e os ultradireitistas ruins, antieuropeus e alinhados com Putin, como o AfD ou Salvini. Uma distinção que lhes permite fazer passar por respeitáveis os acordos com formações que têm demonstrado repetidamente pouco respeito pelos direitos humanos. 

E os segundos, por ação ou omissão dos demais, conseguiram resistir ao aguaceiro pós-crise de 2008 e se manter em muitos países como a alternativa de governo à extrema-direita. Quem poderia imaginar isso há dez anos, quando muitos estavam assinando o atestado de óbito dos partidos social-democratas? 

Essa é a Europa que nos resta. A crescente influência da direita radical e a consolidação do sistema bipartidário são as duas grandes manchetes de uma noite que entrará para a história mais pelo adiantamento de Macron do que pelas repercussões imediatas na governança da União Europeia, onde tudo permanecerá mais ou menos igual. Sem terremotos, mas com movimentos tectônicos que podem um dia acabar derrubando tudo. 

 

El Salto El Salto é um meio de comunicação social autogerido, horizontal e associativo espanhol.

Continue lendo

geracao z
Frei Betto: geração Z e a vulgarização da política
sahel
O Sahel se levanta e o mundo deve prestar atenção
bolivia
Bolívia e o golpismo como espetáculo

Leia também

PT
O esforço de Lula é inútil: o sonho das classes dominantes é destruir o PT
ratzel_geopolitica
Ratzel e o embrião da geopolítica: os anos iniciais
forcas armadas
As Forças Armadas contra o Brasil negro [parte 1]
mexico
Aprendendo com o México
frei betto
Frei Betto: direita, volver!
palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_1jodi_dean
Jodi Dean: “a Palestina é o cerne da luta contra o imperialismo em todo o mundo”
rsz_five-percenters
Show and Prove: os Five Percenters e o Islã Negro no surgimento do hip-hop
gandhi_nao_violencia
O mito de que a liberdade da Índia foi conquistada pela não-violência impede o progresso