Pesquisar
, ,

França: da rebelião nas periferias à ascensão da extrema-direita

Um ano após a rebelião nos “banlieu”, uma força política que faz do racismo seu mote pode vir a governar a França
Pablo Gandolfo e Clarisa Busemi
Protestos na França contra a eleição de Nicolas Sarkozy, em maio de 2007. (Foto: Mikael Marguerie / Flickr)

Em junho de 2023, e por oito noites consecutivas, a rebelião dos banlieu [subúrbios] na França resultou em 24 mil incêndios nas ruas, 12 mil veículos queimados, 2.5 mil edifícios danificados e 273 delegacias de polícia atacadas. A centelha da revolta foi o assassinato do jovem Nahel pela polícia na cidade de Nanterre, mas o cerne da questão é o racismo histórico da sociedade francesa.

Tarik Bouafia tem 30 anos, é filho de imigrantes argelinos e cresceu na periferia de Lyon, em um banlieu, que em geral são blocos de prédios cercados por ruas largas, espaços monótonos, projetados por urbanistas com uma visão utilitarista. Bom para abrigar a população trabalhadora de classe baixa e ruim para uma pessoa que almeja fazer mais do que se deslocar para o local onde realiza seu trabalho diário.

Atualmente, Bouafia mora em Lille e é estudante de doutorado em História Contemporânea da América Latina na Universidade de Sorbonne. Sua perspectiva se baseia em sua experiência dessa realidade, mas sua reflexão a transcende e fornece elementos para que nós, que a vemos de longe, possamos entender o mosaico fragmentado da atual sociedade francesa.

Há um ano, a França estava passando por uma rebelião social nos subúrbios. O que aconteceu nesse meio tempo?

A situação piorou, o consenso neoliberal permaneceu em vigor e a base eleitoral de Macron é tão fraca que ele não tem outro mecanismo para governar a não ser aplicar certos graus de violência. É por isso que a repressão está aumentando, e não diminuindo. Além disso, ele está competindo contra a direitista Le Pen e, para disputar esses votos, uma das maneiras de fazê-lo é ver quem é tem a mão mais dura. No final de 2023, ele implementou uma lei contra a imigração, uma lei muito restritiva que foi votada pelo partido de Macron com os votos de Le Pen e seus deputados. Le Pen disse que foi uma vitória ideológica. O que temos é uma tendência de radicalização para a direita.

Como se chega a essa situação em que uma força política racista pode governar a França?

Há muitos anos, tem havido uma campanha para normalizar a Frente Nacional, em que a mídia tem assumido sua agenda com questões como imigração, estrangeiros e muçulmanos. Quase toda a classe política promove essas ideias, já que adotou seus termos e usa o mesmo vocabulário. Inclusive, adota leis que a Frente Nacional promoveria se estivesse no governo.

Hoje, o que o sistema político vê como uma ameaça não é mais a Frente Nacional, que está normalizada. A ameaça ao sistema é a Frente Popular e, em particular, Jean Luc Melenchon. Enquanto Le Pen é normalizada, há uma campanha constante e brutal da mídia contra Melenchon. Macron já sabe que vai perder e o que ele quer é que a Frente Nacional vença, porque, em termos econômicos e sociais, ela está muito mais próxima dele do que da Frente Popular.

Depois de um ano, a França passou de uma rebelião social liderada pela população racializada para a iminência da eleição de um governo que promove o racismo.

Temos de começar pela história colonial da França para entender essa continuidade entre a dominação colonial – externa – e o tratamento dado a muçulmanos, árabes, negros e, agora, aos filhos de imigrantes – interna – porque ela vem dos mesmos espaços geográficos, da zona do não-ser, como disse Franz Fannon. Pessoas que nunca foram consideradas cidadãs. Nem mesmo eram consideradas seres humanos. A França tenta se apresentar como o país dos direitos humanos e do universalismo, mas, na realidade, é um país de particularismo excludente e intolerante. O que eles consideram universal é sua própria cultura, sua própria civilização, sua própria maneira de ver o mundo.

Há textos legais muito violentos contra os negros. O Código do Indígena que eles implementaram em 1881, na época da grande expansão imperial após a conferência de Berlim, foi muito importante, pois regia a vida dos povos indígenas na Argélia, na Tunísia e assim por diante. Nenhum outro país produziu um texto legal como esse. É a continuidade do Código Negro de 1685, que visava a uma organização social baseada em uma hierarquia sócio-racial na qual os colonos são os dominantes. Nesse aspecto, a França tem uma especificidade muito importante que ainda é expressa hoje.

Em que outros aspectos essa identidade nacional se consolida?

A afirmação de uma comunidade nacional se baseia em um idioma, em uma fronteira e, dialeticamente – o que também significa negativamente –, essa afirmação da nacionalidade e da superioridade francesa foi feita contra o mundo colonial do Magrebe, considerado inferior, esse outro, essa alteridade absoluta e radical, oposta à civilização francesa. Esse esquema ainda está muito vivo no imaginário francês em representações sociais e raciais na França. A Frente Nacional, as ideias que ela promove, é um produto desse imaginário e, ao mesmo tempo, um vetor para sua promoção.

Que outros fatores, além do racial, explicam a evolução?

Ele é combinado com uma situação social catastrófica. Na periferia de Paris, muitas pessoas vivem em condições materiais muito precárias, o que também tem a ver com políticas de privatização e um Estado que está perdendo sua presença. É um contexto social explosivo. Se há uma demanda permanente, é a dignidade, que nossos avós e pais, quando chegaram à França na década de 1960 para trabalhar nas fábricas, já exigiam. Dignidade entendida como a exigência de ser tratado como um ser humano e não como um cachorro. A polícia fala com os jovens como se fossem merda. E esse sentimento de não ser respeitado e de ser humilhado explode em qualquer ocasião. É por isso que não foi estranho o que aconteceu. Teria sido mais surpreendente se não tivesse acontecido.

Qual é a composição social do banlieu?

Um perfil típico é uma mulher que trabalha com limpeza – era o caso da minha mãe –, um homem que trabalha com segurança – há cada vez menos operários – e jovens que trabalham por meio de aplicativos como o Uber, seja de bicicleta, moto ou carro. Há poucos serviços públicos. O atendimento médico nessas áreas costumava ser acessível, mas hoje está cada vez mais difícil. As escolas públicas estão superlotadas, com 40 a 45 alunos por classe. Há falta de professores e os profissionais de saúde não querem aceitar os empregos porque os salários são muito baixos.

Costuma-se dizer que essa população não está integrada.

O próprio conceito de integração diz tudo, porque quem está integrado em uma sociedade é uma pessoa que vem de fora, uma pessoa que vem do exterior. Esse não é o principal componente da rebelião. Estamos falando de jovens nascidos na França que são filhos de imigrantes de primeira, segunda ou até terceira geração, que não falam mais o idioma de seus pais. No entanto, como a herança racista permeia toda a vida social na França, eu que sou francês de nascimento, que falo o idioma, que fui à escola, que pratiquei esportes neste país, nunca me tornarei um francês para eles.

Ao mesmo tempo, há pessoas de ascendência árabe que aceitam a ideia de integração e querem ser os melhores franceses: cantam o hino e dão nomes franceses a seus filhos, mas isso não muda nada porque é uma barreira étnica e racial, portanto intransponível. Assim, eles acabam se decepcionando com essa tentativa de dar o melhor de si, pois chegam ao centro de Paris e a polícia os maltrata por parecerem árabes ou por serem negros.

Qual é o papel da polícia nesse processo?

É cada vez mais importante. Atualmente, os sindicatos da polícia têm uma força tremenda. Mais de 50% dos policiais votam na Frente Nacional. Esse é um dos sintomas mais importantes da radicalização autoritária e racista do Estado nos últimos anos. Os ataques terroristas de 2015 foram usados como desculpa para medidas autoritárias que se mantiveram permanentes e são sofridas principalmente por populações racializadas.

A polícia vê seu trabalho como uma missão para salvar a França contra um inimigo interno, bárbaros que precisam ser civilizados. Isso também faz parte da continuidade colonial. Há alguns anos, houve uma tentativa de abolir a prática de imobilizar um detento colocando um joelho em suas costas. Isso não pôde ser feito devido à ação dos sindicatos da polícia. Essa imagem explica a situação.

Por que você acha que revoltas semelhantes não ocorrem em outros países europeus?

Há diferentes configurações. A Grã-Bretanha, cujo passado também é fortemente colonial, tem um modelo diferente em relação aos imigrantes em comparação com a França, onde há uma obsessão islamofóbica. Há também uma obsessão com o secularismo, um ódio à religião e uma intolerância que não é sentida em países como a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos, onde um certo multiculturalismo é promovido com mais canais de expressão e visibilidade do que na França.

Como a islamofobia é expressa?

Quando o secularismo surgiu em 1905, com uma lei muito progressista, o processo de secularização e independência do Estado em relação às autoridades católicas e religiosas estava enfrentando um inimigo muito forte. Mas a partir das décadas de 1990 e 2000, o que alguns autores chamaram de revolução conservadora no secularismo, que em seu sentido original era progressista, transformou-se em uma reivindicação ideológica reacionária contra a visibilidade dos muçulmanos, especialmente das mulheres muçulmanas que usam o véu. Isso começou no final da década de 1980, quando alguns administradores de escolas impediram que meninas de 13 e 14 anos que usavam véu entrassem nas escolas. Naquela época, houve tumultos e conflitos.

Por que surgiu essa distorção do conceito de secularismo?

A lei sobre a separação da igreja e do Estado dizia que seus agentes – o policial, o professor, a enfermeira – tinham de ser neutros. O que aconteceu é que, por causa da visibilidade dos muçulmanos, eles inverteram esse secularismo para os usuários dos serviços públicos em vez de agentes do Estado. Esse é um marco de como o conceito se tornou uma referência ideológica que costumava ser invocada por setores progressistas contra a dominação e a autoridade católicas, e agora é a bandeira da islamofobia e do racismo.

Os protestos do ano passado deixaram algum saldo organizacional que reflita esses setores sociais?

Isso é o que está faltando e é um problema. Na periferia e nos bairros, há uma falta de canais de expressão capazes de formular demandas e programas, de moldar um equilíbrio de poder contra a polícia e o Estado. É por causa dessa falta que há inúmeras revoltas que não são canalizadas na direção da transformação. O Estado francês sabe como esse tipo de bairro é perigoso e como seria perigosa uma organização de massa desses jovens. É por isso que ele sempre tentou institucionalizar e canalizar os protestos por meio de organizações criadas pelo Estado.

Em sete anos, houve quatro manifestações de massa. Em 2016, a conhecida como Nuit Debout, a dos Coletes Amarelos em 2018 e, em 2023, a Reforma da Previdência e depois os banlieu. É possível encontrar um denominador comum entre elas?

Algo fundamental que as diferencia é a faixa social que elas representam. Em 2018, quando a polícia reprimiu brutalmente os Coletes Amarelos – aquela rebelião vinda do interior, mas que chegou ao centro de Paris – muitos teóricos antirracistas na França tentaram questionar por que os jovens habitantes da periferia não se levantaram para se juntar a eles. Uma das questões é a clara divisão racial entre os brancos – mesmo que sejam pobres – e as pessoas da periferia, mesmo que ambos sofram as mesmas consequências do neoliberalismo. Quando os coletes pediram que as pessoas lutassem com eles, as pessoas da periferia se lembraram do que aconteceu na revolta de 2005, quando os trabalhadores brancos não demonstraram solidariedade. Alguns até condenaram essas revoltas.

El Salto El Salto é um meio de comunicação social autogerido, horizontal e associativo espanhol.

Continue lendo

geracao z
Frei Betto: geração Z e a vulgarização da política
sahel
O Sahel se levanta e o mundo deve prestar atenção
bolivia
Bolívia e o golpismo como espetáculo

Leia também

PT
O esforço de Lula é inútil: o sonho das classes dominantes é destruir o PT
ratzel_geopolitica
Ratzel e o embrião da geopolítica: os anos iniciais
forcas armadas
As Forças Armadas contra o Brasil negro [parte 1]
mexico
Aprendendo com o México
frei betto
Frei Betto: direita, volver!
palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_1jodi_dean
Jodi Dean: “a Palestina é o cerne da luta contra o imperialismo em todo o mundo”
rsz_five-percenters
Show and Prove: os Five Percenters e o Islã Negro no surgimento do hip-hop
gandhi_nao_violencia
O mito de que a liberdade da Índia foi conquistada pela não-violência impede o progresso