Pesquisar
,

Governo quer empresas dos EUA como concessionárias em infraestrutura no Brasil

A afirmação é do ministro Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Atualmente, o estoque total de investimentos dos EUA no Brasil é de US$ 110 bilhões.
por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil
Brasília – Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, e o secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura, Bruno Sad, durante coletiva sobre a MP 752/16 (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O governo brasileiro quer estimular empresas americanas a serem concessionárias em projetos de infraestrutura no Brasil, como em aeroportos, rodovias e ferrovias.

A afirmação é do ministro Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, que participa hoje (7), em Brasília, da 1ª Reunião Anual Brasil-Estados Unidos sobre Desenvolvimento de Infraestrutura.

“Hoje não temos nenhuma empresa americana concessionada em infraestrutura no Brasil. Nosso objetivo é que, a partir desse diálogo, venhamos ter empresas americanas na área de concessão no Brasil”, disse.

Segundo o ministro, atualmente o estoque total de investimentos dos Estados Unidos no Brasil é de US$ 110 bilhões. “Podemos imaginar que qualquer pequeno percentual disso é um valor extremamente significativo. Não estamos fixando uma meta. Nossa expectativa é que tenhamos uma carteira relevante, em algum tempo, considerando essa base extremamente grande”, acrescentou.

Barreiras impedem investimentos

No evento, serão discutidas a identificação e solução para barreiras que impedem os investimentos. Segundo o ministro, serão debatidos aspectos legais e a criação de mecanismos financeiros.

A embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Liliana Ayalde, diz que o evento é uma forma prática de identificar oportunidades. Questionada sobre a possibilidade de mudança de estratégia com a eleição do Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, Liliana disse que levará tempo para o novo governo formar equipe e essa ação é prioridade para o Brasil e o seu país.

“O que estamos fazendo gera benefício para os dois países. Gera trabalho aqui e nos Estados Unidos. É uma prioridade para os dois”, disse. Ela acrescentou que acompanha o cenário político no Brasil, mas o foco está no trabalho a ser feito.

“Isso é uma dinâmica das instituições brasileiras. Estamos observando. O trabalho nosso aqui é muito concreto, é muito dirigido. Vamos tentar focar no trabalho que se tem que fazer”, disse a embaixadora.

Continue lendo

paraisopolis
Massacre de Paraisópolis: "cada dia de espera é mais um dia de sofrimento", diz antropóloga
balikatan china
Vijay Prashad: os Estados Unidos reúnem o esquadrão contra a China
milei
O realismo mata a ideologia: a rendição do governo Milei à China

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel