Pesquisar
,

Movimento cidadão das FARC-EP é registrado no Conselho Nacional Eleitoral

O grupo “Vozes de paz e reconciliação” é fruto dos acordos de paz entre governo colombiano e insurgência.
por Mariana Ghirello – Correspondente especial na Colômbia | “Vozes de paz e reconciliação” é fruto dos acordos de paz entre governo colombiano e a insurgência.
(Foto: Reprodução / @VocesDePazCo)

Na manhã desta quinta-feira (15/12), o grupo Voces de Paz Y Reconciliación ( Vozes de Paz e Reconciliação) anunciou o registro e o início do grupo, que deverá representar as FARC-EP politicamente enquanto a insurgência cumpre os prazos do acordo de paz e entrega das armas. Imelda Daza, Judith Maldonado, Jairo Rivera, Francisco Toloza, Pablo Cruz e Jairo Estrada serão os representantes de movimentos sociais que atuarão no Congresso.

O líder máximo das FARC-EP, Timoleón Jimenez, informou sobre o surgimento do grupo por meio do Twitter. “Responsável por estabelecer as bases legais do novo partido político que surgirão a partir da transformação das FARC depois da entrega das armas”, disse Timoleón.

O movimento político foi registrado no Conselho Nacional Eleitoral colombiano e em suas contas nas redes sociais anunciaram que seu objetivo é dar mais força e colocar em prática a implementação dos acordos de paz. Nenhum dos líderes faz parte das FARC-EP, mas muitos estiveram nas mesas de negociações pela paz. Três deles estarão no Senado e os outros três na Câmara. No Senado estarão Jairo Estrada, Pablo Cruz e Judith Maldonado. Como representantes na Câmara estarão Imelda Daza, Jairo Rivera e Francisco Tolosa.

Jairo Estrada é economista, advogado e historiador, e foi integrante da Comissão de Memória Histórica do Conflito e Vítimas. Ele também integrou a mesa de diálogos em Havana, Cuba. Pablo Cruz é advogado constitucionalista e representante legal do novo grupo, ele precisou sair do país após diversas acusações por parte do governo. Judith Maldonado também é advogada, sempre atuou como defensora de Direitos Humanos, também foi candidata pelo Polo Democrático e União Patriótica.

Imelda Daza é economista e foi fundadora da União Patriótica, esteve exilada na Suíça por 20 anos e voltou à Colômbia para o processo de paz. Ela chegou a ser candidata ao governo do departamento de Cesar, quando sofreu um atentado, mas saiu com vida. Francisco Tolosa é sociólogo e integra também a Marcha Patriótica. Ele também chegou a ser acusado judicialmente de rebelião e colaboração com as FARC-EP. E Jairo Rivera é representante da juventude no novo movimento político, e anteriormente representava a Marcha Patriótica.

 

Continue lendo

europa
A crise de moradia alimenta a ascensão da extrema-direita na Europa
balikatan china
Vijay Prashad: os Estados Unidos reúnem o esquadrão contra a China
milei
O realismo mata a ideologia: a rendição do governo Milei à China

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel