Pesquisar
, ,

Temer estende Programa de Proteção ao Emprego por mais um ano

A mudança possibilita às empresas reduzirem o salário e jornadas de trabalho de seus trabalhadores por até dois anos, por meio do PPE.
por Pedro Marin | Revista Opera

O governo Temer liberou, por meio de medida provisória (MP) assinada na semana passada, a possibilidade de empresas reduzirem o salário e jornadas de trabalho de seus trabalhadores por até dois anos, por meio do Programa de Proteção ao Emprego, agora rebatizado como Programa Seguro-Emprego.

O programa, criado em julho de 2015 pela ex-Presidenta Dilma Roussef, possibilita a redução de até 30% dos salários e das jornadas de trabalho, em troca da garantia de que o trabalhador não seja demitido durante a vigência do contrato do programa. O governo entra com a complementação de 50% da perda salarial, por meio do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O PPE, no entanto, só possibilitava a duração de um ano para a medida. Com a medida provisória, as empresas poderão firmar o acordo por dois anos. De acordo com o Ministério do Trabalho, desde o início do programa, 63.345 trabalhadores foram afetados, com um repasse do governo federal de mais de R$ 169 milhões.

 

Continue lendo

paraisopolis
Massacre de Paraisópolis: "cada dia de espera é mais um dia de sofrimento", diz antropóloga
forcas armadas
As Forças Armadas contra o Brasil negro [parte 1]
ditadura
Reabertura de comissão sobre mortos e desaparecidos da ditadura e luta contra o golpismo ganham força em ato no RJ

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel