Pesquisar
,

São Paulo: Professores são duramente reprimidos em protesto na Câmara Municipal

A greve dos professores atinge atualmente 93% das escolas do município, com 46% delas completamente paradas.
por Pedro Marin | Revista Opera
(Foto: Assessoria Sâmia Bonfim)

Professores municipais da cidade de São Paulo foram duramente reprimidos na tarde desta quarta-feira (14) durante uma manifestação na Câmara Municipal de São Paulo.

O ato faz parte da greve dos professores, que se opõe à reforma da Previdência de servidores municipais proposta pela gestão de João Dória (PSDB). O projeto de lei pretende, entre outros pontos, aumentar a alíquota de contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14%. A greve dos professores atinge atualmente 93% das escolas do município, com 46% delas completamente paradas.

O protesto desta quarta-feira fechou o Viaduto Jacareí, no centro. Parte dos manifestantes pôde entrar na Câmara para acompanhar a sessão que discute a reforma, mas a maior parte ficou para fora. Por volta das 14h, os manifestantes tentaram entrar no prédio, mas foram impedidos por guardas municipais e por PMs, que usaram bombas de gás lacrimogênio e de efeito moral. No interior da Casa também houve repressão, com ao menos uma manifestante gravemente ferida.

A sessão chegou a ser interrompida, mas por volta das 15h20 os trabalhos foram retomados com as portas fechadas. Às 16h, os vereadores aprovaram a proposta de aumentar a alíquota na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O projeto de lei agora deve passar por mais duas comissões, para depois ser votado.

O prefeito João Dória, que participa do Fórum Econômico Mundial para a América Latina, condenou o que chamou de “invasão” da Câmara por professores, dizendo que houve “excesso” tanto de manifestantes quanto da Guarda Civil Metropolitana. “Houve uma invasão, é preciso estar claro. Aliás, não foi um convite [aos professores], foi uma invasão, o que não justifica nenhum tipo de violência, nem da parte que invade, nem da parte que é invadida. A Prefeitura, a figura do prefeito, não justifica nem ampara nenhum tipo de invasão, mas condena a invasão”, disse.

Continue lendo

paraisopolis
Massacre de Paraisópolis: "cada dia de espera é mais um dia de sofrimento", diz antropóloga
forcas armadas
As Forças Armadas contra o Brasil negro [parte 1]
ditadura
Reabertura de comissão sobre mortos e desaparecidos da ditadura e luta contra o golpismo ganham força em ato no RJ

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel