Pesquisar
,

Aberta a temporada ofical de sanções estado-unidenses contra o Irã

“Se você é um inimigo e enfia uma faca em alguém e em seguida diz que quer negociar, a primeira coisa a fazer é tirar a faca”, disse o presidente do Irã.
por Fabiano Post | Revista Opera
(Foto: Kremlin)

No dia 7 de agosto entraram em vigor as duas primeiras rodadas das duras sanções unilaterais impostas pelos EUA contra a República Islâmica do Irã. O impacto na economia iraniana – que enfrenta uma alta taxa de desemprego e inflação – será enorme. Nos últimos 6 meses a moeda iraniana, o rial, perdeu aproximadamente dois terços de seu valor.

No primeiro lote de sanções do governo norte-americano serão bloqueadas transações financeiras e a importação de matérias-primas e serão tomadas medidas punitivas no setor automotivo e de aviação comercial. A segunda etapa terá início em 4 de novembro. Nessa segunda fase o objetivo de Washington é atingir em cheio o setor de petróleo e de gás, assim como o Banco Central.

O presidente iraniano Hassan Rohani denunciou o que chamou de “guerra psicológica” norte-americana contra o Irã. Acrescentou ainda que “seu país sempre esteve aberto às negociações”.

“Se você é um inimigo e enfia uma faca em alguém e em seguida diz que quer negociar, a primeira coisa a fazer é tirar a faca”, disse Rohani.

Para o presidente do Irã a única forma dos EUA mostrarem que “são dignos de confiança” seria voltar para o acordo nuclear.

Do lado de lá, o discurso do presidente Trump – para imputar o isolamento econômico ao país persa – se apoia na “lógica”, sem subsídios suficientes, do suposto comportamente “desestabelizador” iraniano. Incluí-se aí seu programa de mísseis balísticos e seu suposto envolvimento em atividades terroristas mundo afora.

Continue lendo

rsz_texas
‘42 | A independência do Texas [Ep.3]
campo refugiados def
Israel desobedece a CIJ e provoca novo massacre em campo de refugiados de Gaza
internacional
Qual é a eficácia dos empréstimos e da assistência internacional?

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel