Pesquisar
, ,

Liberdade para Julian Assange e para todos os presos políticos!

O que Assange fez é expor os crimes dos ricos e poderosos. Argumentos sobre seus métodos confundem erros de percurso com o assassinato gratuito de civis.
por Rob Urie | CounterPunch – Tradução de Gabriel Deslandes
“Não atire no mensageiro”: manifestação diante da prefeitura de Sydney, em apoio a Julian Assange, 10 de dezembro de 2010. (Foto: Elekhh / WikiCommons)

A guerra norte-americana contra o Iraque está entre os massacres mais idiotas e gratuitos da história humana. Foi baseada em mentiras, executada por criminosos e estúpidos, terceirizada para assassinos profissionais e ainda não terminou. Além dos assassinados direta e indiretamente na guerra, vários milhões de refugiados se espalharam pelo Oriente Médio, incluindo mais de um milhão na Síria. O ISIS cresceu nas fileiras do dissolvido exército iraquiano. Esse fiasco apareceu para todo o mundo como o suspiro de um império moribundo afundado sob o peso de sua ignorância e arrogância.

No final da guerra, Julian Assange e seus colegas do Wikileaks publicaram documentos e vídeos supostamente vazados por Chelsea Manning, que apresentaram a todos a natureza gratuita da violência americana. O mais contundente foi este vídeo que mostra soldados americanos matando cuidadosa e meticulosamente civis, incluindo funcionários da Reuters, fora de qualquer teatro de guerra determinado. A legenda “assassinatos colaterais” foi anexada ao vídeo, mas os assassinados eram os alvos – eles não eram acessórios para outros assassinatos justificáveis.

Julian Assange teria sido acusado por um Grande Júri Americano por seu papel na publicação desse vídeo vazado, entre outros. Ele aparentemente será extraditado para os EUA, onde deverá ser julgado por fazer o que os repórteres fazem – publicar informações verdadeiras de interesse público. O New York Times e outros jornais também publicaram os documentos vazados, mas ainda não foram cobrados. Essa manobra legal parece ser uma vingança motivada politicamente contra Julian Assange por ter importunado os criminosos por trás da Guerra no Iraque.

Os democratas nacionais e a imprensa liberal passaram os últimos 2,5 anos demonizando Assange por seu papel na publicação de e-mails vazados do Comitê Nacional do Partido Democrata (DNC) no período que antecedeu a corrida presidencial de 2016. Como no caso da perseguição governamental contra ele, o conteúdo dos vídeos e documentos vazados não está em disputa. Eles são o que supostamente são. Soldados norte-americanos assassinaram civis e funcionários da Reuters que não representavam para eles uma ameaça imediata. A equipe de campanha de Hillary Clinton liquidou Bernie Sanders da nomeação democrata enquanto apresentava informações contraditórias a respeito de suas posições políticas, a depender do que ela achava que seu público queria ouvir.

Os acusadores de Assange são, em grande parte, os responsáveis ​​pelo declínio imperial que os informes do Wikileaks iluminaram. Os principais republicanos e democratas por trás da Guerra no Iraque deveriam ter sido acusados ​​de crimes de guerra. Não há estatuto de limitações em crimes de guerra. As autoridades de segurança nacional, entre os acusadores de Assange, espionaram ilegalmente norte-americanos e mentiram sobre isso sob juramento ao Congresso. A CIA espionou ilegalmente o comitê do Congresso encarregado de investigar a tortura ilegal na Guerra do Iraque depois de destruir ilegalmente as provas de seus crimes. Do que Julian Assange está sendo acusado mesmo?

O que Assange fez é expor os crimes dos ricos e poderosos. Argumentos sobre seus métodos confundem erros de percurso com o assassinato gratuito de civis. Se esses civis assassinados tivessem sido americanos brancos ricos e funcionários do New York Times, esses erros de “percurso” provavelmente seriam objeto de reivindicações totalmente previsíveis (e justificáveis) para que os acusados fossem julgados e, caso condenados, mandados para a prisão. Através de qual lente os crimes expostos por Assange e o Wikileaks não são vistos como crimes? Tal como acontece com tudo acerca de uma guerra gratuita em que um milhão ou mais civis são mortos, por que seus arquitetos e principais instigadores não estão no banco dos réus em Haia implorando por suas vidas?

Embora a bomba política tenha sido preparada por democratas e liberais belicistas nos EUA para perseguir Julian Assange sem restrição legal, ele é elogiado por grande parte do mundo por levar os crimes da elite americana à opinião pública. O que realmente as acusações contra Assange iluminam são os crimes da elite e seu uso do poder e ofício para encobri-los. Embora a maioria dos norte-americanos não tenha visto o vídeo dos soldados dos EUA assassinando civis e funcionários da imprensa, a publicidade de um julgamento certamente despertará o interesse do público.

Assim como a Guerra do Iraque foi um último suspiro de um império em declínio, o julgamento de Julian Assange é o ato desesperado de um establishment político que está perdendo o controle do poder. O sr. Assange é apenas um mensageiro. Esse establishment é o agente da sua própria morte. E isso não poderia acontecer com um grupo mais digno de pessoas. Liberdade para Julian Assange e todos os presos políticos. Todo o poder ao povo!

Continue lendo

mst
Frei Betto: 40 anos de MST
campo refugiados def
Israel desobedece a CIJ e provoca novo massacre em campo de refugiados de Gaza
internacional
Qual é a eficácia dos empréstimos e da assistência internacional?

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel