Pesquisar
, ,

Presidente da Unidade Popular é preso após ocupações em Belo Horizonte

As prisões ocorreram após o MLB organizar ocupação simultâneas, com 250 a 300 famílias, no prédio da prefeitura de Belo Horizonte e da COHAB.
por Pedro Marin | Revista Opera
(Foto: Unidade Popular)

O presidente nacional da Unidade Popular pelo Socialismo (UP) e dirigente do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), Leonardo Péricles, foi preso ontem (24) em Belo Horizonte, junto de Poliana Souza e Maura Rodrigues, lideranças nacionais do MLB, após o movimento organizar a ocupação da prefeitura da cidade.

De acordo com companheiros de seu partido, as prisões ocorreram após o MLB organizar ocupação simultâneas, com 250 a 300 famílias, no prédio da prefeitura de Belo Horizonte e da Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (COHAB). A prefeitura foi evacuada, e ocupada pela Tropa de Choque da Guarda Municipal e da Polícia Militar.

A ação tinha como pauta a regularização das ocupações da cidade, em especial Eliana Silva, Carolina Maria de Jesus e Paulo Freire, que teriam sido prometidas pelo atual prefeito da cidade, Alexandre Kalil (PHS), durante sua campanha.

A prisão de Leonardo, Poliana Souza e Maura Rodrigues ocorreu, de acordo com o movimento, durante uma reunião de negociação entre a prefeitura as lideranças. “Chegaram na reunião e não havia reunião: era uma arapuca, atrás de uma linha de policiais, separada da massa, e deram ordem de prisão, sem alegar qualquer motivo ou que crime teria sido cometido”, disse Aiano Bemfica, militante da UP e do MLB, que destaca que as ocupações foram pacíficas. “Saíram com ele pela porta de fundo da prefeitura, literalmente, colocaram dentro do camburão e jogaram spray de pimenta lá dentro.”

https://www.facebook.com/unidadepopularUP/videos/1380463142106588/

As lideranças ficaram detidas até aproximadamente 9h da noite. De acordo com os movimentos, depois de prestarem depoimento, no boletim de ocorrência constaram dois crimes: esbulho processório – “que não tem qualquer sentido, já que a prefeitura foi evacuada porque o prefeito quis, não houve uso de violência e eles tinham acesso e controle da maior parte do prédio”, diz Aiano – e “usurpação da água”, porque as famílias, de acordo com ele, beberam água da prefeitura.

https://www.facebook.com/unidadepopularUP/videos/2255923147958376/

 

Continue lendo

paraisopolis
Massacre de Paraisópolis: "cada dia de espera é mais um dia de sofrimento", diz antropóloga
forcas armadas
As Forças Armadas contra o Brasil negro [parte 1]
ditadura
Reabertura de comissão sobre mortos e desaparecidos da ditadura e luta contra o golpismo ganham força em ato no RJ

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel