Pesquisar
, , , ,

Diário Internacionalista: Roger Casement e uma viagem ao coração das trevas

A história do irlandês Roger Casement, condenado pela Grã-Bretanha por denunciar abusos colonialistas no Congo e Amazônia.
A história do diplomata e militante irlandês Roger Casement, condenado pela Grã-Bretanha por denunciar abusos colonialistas no Congo e Amazônia. Por Silvia Beatriz Adoue | Notas Periodismo Popular – Tradução de Nara Castro com revisão de Rebeca Ávila
Monumento a Roger Casement na Irlanda (via Notas Periodismo Popular)

Roger Casement nasceu em Dublin, em 1864. Seu pai era protestante e capitão da Guarda dos Dragões do Exército Britânico. Sua mãe, que morreu quando Roger tinha 9 anos, como boa irlandesa, batizara-o secretamente na igreja católica. Apesar disso, ele foi criado como inglês e protestante. Tinha 20 anos quando foi realizada a Conferência de Berlim, que repartiu a África entre as potências europeias.

A segunda revolução industrial anunciava uma prosperidade ininterrupta para o mundo. A exploração sem limites dos trabalhadores e trabalhadoras da Europa era substituída pela jornada de trabalho reduzida, para que o trabalhador tivesse seu tempo de descanso e as mulheres e crianças se retirassem do espaço da produção, dirigindo-se ao lar. A mais-valia absoluta dava lugar à mais-valia relativa nos países centrais, e a civilização europeia se apresentava como o modelo de humanidade que todos os povos seguiriam.

Diante do anúncio de tanta estabilidade e certezas, não eram poucos os filhos dessas potências que abandonavam o tédio e se lançavam a outros continentes em busca de um pouco de aventura. O poeta francês Arthur Rimbaud, por exemplo, em 1876 havia se alistado no Exército Colonial Holandês. Roger Casement também foi para a África. Trabalhou para o aventureiro Henry Morton Stanley, agente do Rei Leopoldo II da Bélgica, cuja Associação Internacional Africana aparentava ter interesses humanitários no Congo. Casement não demorou a perceber que o empreendimento de Leopoldo II tinha como intenção a exploração do marfim e da borracha, por meio da expropriação de terras comunais e da escravização da população. Para isso, gerenciava uma economia do terror que incluía massacres e mutilações. 

Para o Congo foi também o ucraniano-polonês Joseph Conrad, para trabalhar em atividades comerciais. Lá ele conheceu Casement. Seu livro “Coração das Trevas” registra a perplexidade desses europeus conformistas e sentimentalistas ao descobrir o ponto reverso  necessário da prosperidade da segunda revolução industrial. O romance “Lord Jim”, de 1899, também nasceu da vergonha da cultura que representavam. Do terror nas colônias vinha o alimento imprescindível para a civilização da Europa. 

Em 1901, após denúncias feitas por Roger Casement, o Ministério das Relações Exteriores da Grã-Bretanha pediu-lhe que investigasse e enviasse um relatório detalhado dos desmandos de Leopoldo II no Congo. Lembremo-nos que a Grã-Bretanha tinha alinhamentos que a opunham à Bélgica naquele momento. O “Relatório Casement” foi o instrumento probatório na queda de braço entre os dois países. Arthur Conan Doyle, o autor da série “Sherlock Holmes”, também denunciava a ação de Leopoldo II no Congo sem, contudo, deixar de reivindicar a ação da Grã-Bretanha na Nigéria. 

A bem-sucedida recepção do relatório permitiu que Roger Casement iniciasse uma carreira na diplomacia britânica, primeiramente na África e depois na América Latina. Em 1910, após servir como cônsul em várias cidades do Brasil, foi encarregado de realizar uma investigação semelhante à do Congo: deveria subir o rio Amazonas até Putumayo, no Peru. Suspeitava-se que a Peruvian Amazon Company, empresa que explorava a borracha naquela região, e que tinha acionistas britânicos, cometia atrocidades com os povos amazônicos por meio de capatazes trazidos de Barbados, súditos da coroa britânica. 

Casement partiu em direção à região em um barco da própria companhia, mas uma vez lá, não se deixou enganar por seus hospedeiros. Depois de uma guerra de nervos, com assassinatos de informantes e ameaças, conseguiu retornar à Grã-Bretanha com os capatazes de Barbados como testemunhas e um “Relatório Putumayo”. Esse informe, no entanto, não teve o mesmo destino que o do Congo. O momento era outro, e o principal acionista da empresa responsável nunca foi incriminado. Em compensação, Casement recebeu uma série de títulos e agora poderia ser chamado de “Sir” Roger Casement. Estava esgotado, enojado e resolveu se afastar. 

Para ele, estava claro que aquelas atrocidades eram inerentes à exploração colonial. O batismo secreto lhe serviu de precedente. Não era um inglês. Mario Vargas Llosa escreveu um romance biográfico sobre Roger Casement, ao qual deu o título “O sonho do celta”. Casement retornou à sua Irlanda natal em 1904 e um ano depois uniu-se ao Sinn Féin, o recém fundado partido independentista irlandês. 

Quando estourou a Grande Guerra, os irlandeses se dividiram entre duas posições. Os mais moderados decidiram formar batalhões para apoiar a Grã-Bretanha contra a Alemanha. Esperavam receber em troca um reconhecimento de seus direitos. Os mais radicais preferiram uma aliança com a Alemanha, para treinar tropas e obter armas para um levante contra a Grã-Bretanha. Roger Casement estava entre esses últimos. Viajou à Alemanha para administrar secretamente essa ajuda, sem suspeitar que estava sendo vigiado por agentes britânicos. 

Foi detido durante o malfadado desembarque de armas para a Revolta da Páscoa de 1916. Acusado de alta traição, o título de “Sir” lhe foi retirado e ele foi transferido para a Torre de Londres para aguardar o julgamento, que ocorreu quatro meses depois. A demora serviu para dar tempo para que uma campanha, realizada através da imprensa amarela (expressão que se refere à imprensa sensacionalista), desmantelasse a figura do herói feita pelo próprio Estado britânico. Copiavam fragmentos, supostamente extraídos de seu diário pessoal, e fotos supostamente feitas por ele, que o apresentavam como um homossexual com preferência por adolescentes do mundo colonial. Em agosto, após 4 dias de sessão, foi condenado à forca. 

Em 1965, seus restos mortais foram devolvidos à Irlanda. No documento oficial que acompanhou a transferência, o governo britânico se referiu a ele como “Sir” Roger Casement. Talvez, como ocorre com o personagem de Joseph Conrad, Lord Jim, tenha sido movido pela vergonha. Por sorte, seu lado irlandês abriu uma brecha em sua biografia para que saísse do coração das trevas.

Continue lendo

internacional
Qual é a eficácia dos empréstimos e da assistência internacional?
guerra
Vijay Prashad: a guerra dilacera o coração da humanidade
europa
A crise de moradia alimenta a ascensão da extrema-direita na Europa

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel