Pesquisar
,

Um mês até a eleição presidencial do Equador

Em um contexto de grande insegurança social, há oito candidatos na corrida eleitoral no Equador, com o correísmo à frente nas pesquisas
REDAÇÃO
A candidata do Revolução Cidadã, Luisa González, em ato de campanha em Manabí. (Reprodução/Facebook)

Em um clima de forte apatia política[1] e altos níveis de indecisão, 13,4 milhões de eleitores vão às urnas do Equador no domingo, 20 de agosto, para eleger o presidente e o vice-presidente da República e 137 membros da Assembleia Nacional. Os representantes eleitos ficarão no cargo somente até o final de seus mandatos em 2025. Essas são eleições extraordinárias após a “morte cruzada” invocada pelo presidente Guillermo Lasso.

O sistema eleitoral do Equador prevê dois turnos para as eleições presidenciais. Se nenhum candidato tiver mais de 40% e uma diferença de 10 pontos em relação ao candidato seguinte, deverá ser realizado um segundo turno. Nessas eleições, a Assembleia Nacional também será eleita pelo método Webster, com 24 distritos eleitorais provinciais.

Como o voto é obrigatório, não são esperadas variações no comparecimento, mas não se exclui a possibilidade de que o voto nulo e em branco sofra alguma variação. Em média, nas eleições presidenciais de 2002 a 2017, o voto nulo e em branco foi de cerca de 12%. Em 2021, no segundo turno, esse número subiu para 18% como resultado da convocação do movimento indígena para o voto nulo.

Nessas eleições, o país se encontra em uma profunda crise de insegurança. Em apenas seis anos, o número de mortes aumentou cinco vezes. A política não está isenta dessa realidade; vários políticos já foram assassinados nos últimos meses. O mais recente foi Rider Sánchez, candidato a deputado pela província de Esmeraldas, que foi assassinado por pistoleiros em 17 de julho de 2022.

Oito candidatos estão na disputa pela presidência, e cinco deles estão se saindo melhor nas pesquisas. A candidata do correísmo (Revolução Cidadã), Luisa González – cujo candidato a vice-presidente é Andrés Arauz – pontua em todas as pesquisas com números acima de 30% dos votos totais (38% dos votos válidos) um mês antes da eleição e ainda com altos níveis de eleitores indecisos (Tabela 1). Em segundo lugar estão pelo menos quatro candidatos: o ex-vice-presidente de Lenín Moreno, Otto Sonnenholzner, o líder indígena e ambientalista Yaku Pérez, o ex-membro da Assembleia Nacional Fernando Villavicencio e o ex-candidato presidencial Xavier Hervas. Todos eles muito distantes da candidata do Revolução Cidadã. Jan Topic, apoiado pelo histórico Partido Social Cristão, também está entre os candidatos que foram mencionados nas pesquisas.

Tabela 1. Intenção de voto dos candidatos à presidência da República do Equador de acordo com diversos institutos de pesquisa. (Imagem: CELAG)

Luisa González, advogada, ex-deputada e ex-funcionária de confiança do governo de Rafael Correa, encarna a aposta da Revolução Cidadã, e as pesquisas a colocam muito perto de ser eleita no primeiro turno, com uma projeção de intenção de voto de 38% (dos votos válidos) em 12 de julho. O grande desafio para o correísmo é ultrapassar a marca de mais de 40% dos votos válidos, com uma diferença de pelo menos 10 pontos em relação ao segundo colocado, para conseguir uma vitória no primeiro turno. Após um bom desempenho nas eleições legislativas deste ano, presume-se que o correísmo esteja em uma posição melhor do que nas eleições presidenciais de 2021, quando Andrés Arauz obteve 33% dos votos válidos. No entanto, continua sendo um enigma se eles conseguirão superar a marca de 39,4% de Lenín Moreno em 2017.

Por sua vez, Yaku Pérez chega à eleição sem o apoio da Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (CONAIE), que o apoiou em 2021. Ele conquistou o apoio de antigos políticos de centro-esquerda com pouco capital político, como Gustavo Larrea. Essa ruptura com o movimento indígena consolida a mudança ideológica de Pérez, que se mostrou favorável a um acordo de livre comércio com os EUA, ao ambientalismo sem regulamentação estatal e ao esvaziamento do conteúdo ideológico de seu projeto para o país. Apesar de sua imagem pacifista, a crescente insegurança do país o obrigou a construir uma imagem de “mão dura” para esta campanha de 2023. As pesquisas mostram que ele está encontrando dificuldades para atrair o apoio que teve em 2021, quando recebeu 19% dos votos válidos, com o apoio da CONAIE e do Movimento de Unidade Plurinacional Pachakutik.

Otto Sonnenholzner se destaca no bloco conservador de direita, mantendo uma imagem positiva apesar do descrédito do governo de Lenín Moreno. Nesse cenário altamente fragmentado da direita equatoriana, Otto busca unir os votos dispersos de outros candidatos, como Topic (do PSC), Hervas e Villavicencio. Considerando os altos níveis de eleitores indecisos, existe a possibilidade de que o voto útil seja mobilizado e acabe beneficiando Sonnenholzner.

Em geral, a campanha está sendo realizada com pouco entusiasmo e se concentra na insegurança e no tráfico de drogas. A mídia continua a atacar o correísmo para neutralizar a aposta da Revolução Cidadã na narrativa de que “com Correa estávamos melhor”. É uma campanha de mínimos. O fator-chave parece ser se o anticorreísmo voltará a ser ativo como em 2021 ou se, ao contrário, ele entrou em uma fase de remissão.

Notas:
[1] De acordo com o Latinobarómetro, a insatisfação com a democracia no Equador aumentou de 48,4% para 90% entre 2017 e 2020.
CELAG Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica

Continue lendo

campo refugiados def
Israel desobedece a CIJ e provoca novo massacre em campo de refugiados de Gaza
internacional
Qual é a eficácia dos empréstimos e da assistência internacional?
guerra
Vijay Prashad: a guerra dilacera o coração da humanidade

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel