Pesquisar
, ,

Mais 3 mil tropas dos EUA no Golfo Pérsico: virá um novo conflito contra o Irã?

Com reaproximação do Irã com outros países, EUA aumentam sua presença no Golfo Pérsico para reafirmar sua posição e declarar: “o império ainda está aqui”
Mazda Majidi
Navios dos EUA, Austrália e Reino Unido em operações conjuntas no Golfo Pérsico, em 2002., durante a Operação Enduring Freedom. (Foto: Brien Aho / U.S. Navy)

Os Estados Unidos aumentaram sua presença militar no Golfo Pérsico, elevando o risco de um conflito armado contra o Irã. No início de agosto, as Forças Armadas anunciaram o envio de 3 mil fuzileiros navais e militares da Marinha para a região. A escalada militar inclui helicópteros, embarcações de desembarque anfíbio e mais caças, incluindo aeronaves F-35, F-16 e A-10, além de destróieres com mísseis guiados.

O objetivo declarado dessa escalada é que os EUA forneçam segurança ao Golfo Pérsico, especialmente ao Estreito de Ormuz. De acordo com os EUA, “o Irã apreendeu ou tentou tomar quase 20 navios de bandeiras internacionais na região nos últimos dois anos”.

As maneiras específicas pelas quais os militares dos EUA pretendem usar essa força não estão claras. Algumas declarações sugerem que a presença reforçada tem a intenção de servir como um impedimento para a ativa presença naval do Irã. No entanto, oficiais graduados do Departamento de Defesa dos EUA no Comando Central teriam trabalhado em uma proposta para permitir que os militares intervenham mais diretamente. A proposta inclui planos para que os fuzileiros navais “ofereçam proteção” ao embarcar em navios comerciais civis com bandeiras estrangeiras.

Não está claro se o plano receberá a aprovação final de Washington. A implementação desse plano também exigiria a aprovação dos governos da região. Além disso, as companhias de navegação privadas individuais teriam que autorizar o embarque dos fuzileiros navais em seus navios. Ainda assim, se qualquer parte desse plano entrar em funcionamento, a chance de confrontos militares entre o Irã e os Estados Unidos aumentará muito. Com fuzileiros navais dos EUA a bordo, o que poderia ser uma simples inspeção de um navio comercial pela Marinha do Irã poderia se transformar em um tiroteio.

O Irã é realmente uma ameaça à navegação comercial?

Mesmo seguindo os números dos EUA, é difícil ver como a “apreensão ou tentativa de tomada de quase 20 navios” ao longo de dois anos constitui uma emergência. Essa é uma média de menos de um por mês. Além disso, como a Marinha do Irã apontou, algumas das “apreensões” foram casos em que a Marinha iraniana respondeu a pedidos de socorro dos navios comerciais. Nenhum desses casos envolveu fatalidades ou consequências graves de qualquer tipo.

A Marinha iraniana, ao afirmar seu desejo de abordar alguns navios comerciais e inspecionar sua carga, reagiu, pelo menos em parte, ao confisco pelos EUA de navios que transportavam petróleo iraniano. O exemplo mais recente disso foi em abril, quando a Marinha dos EUA apreendeu e confiscou a carga do Suez Rajan, um navio petroleiro com bandeira das Ilhas Marshall que transportava petróleo iraniano para a China.

A retirada dos EUA do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), o acordo de 2015 entre o Irã, os EUA e outras potências mundiais, foi uma violação flagrante do espírito e do texto do acordo, que não oferecia opção de retirada a nenhum dos signatários. A reimposição das sanções dos EUA ao Irã baseia-se nessa ação ilegal do governo Trump. As sanções são unilaterais e extraterritoriais. Elas não proíbem o comércio dos EUA com o Irã; proíbem também todos os outros países do mundo de negociar com o Irã.

Mas mesmo que aceitemos a reimposição de sanções como legal, válida e justa, o que as sanções autorizam os EUA a fazer é impor multas aos países que comercializam com o Irã. Elas não autorizam a Marinha dos EUA a apreender e confiscar navios que transportam petróleo iraniano em águas internacionais. Quando dois estados soberanos estão envolvidos em relações comerciais, quem são os EUA para proibi-los de fazer isso no meio do mundo?

Se a inspeção de navios comerciais pela Marinha do Irã é um problema, a solução mais fácil seria os EUA pararem de confiscar as remessas de petróleo do Irã nesses atos abertos de pirataria.

Águas de quem?

Para entender melhor esse desenvolvimento, deve-se tomar em conta a geografia da região. Toda a costa norte do Golfo Pérsico é a costa do Irã. Os navios que navegam para o Golfo Pérsico atravessam o Estreito de Ormuz, uma via navegável estreita, também na costa do Irã. O Estreito é uma via navegável entre o Golfo Pérsico e o Golfo de Omã, também situado na costa sul do Irã.

O Estreito de Ormuz, que divide o Golfo Pérsico e o Golfo de Omã.

Deveria o Irã se preocupar com a segurança ao largo de sua costa? Uma breve análise do histórico das ações hostis dos EUA no Golfo Pérsico deixa claro que a vigilância da Marinha do Irã não é irracional ou baseada em paranoia.

A todo momento, há vários navios de guerra dos EUA no Golfo Pérsico. Atualmente, os Estados Unidos têm três destróieres na região – USS Thomas Hudner, USS Paul Hamilton e USS McFaul. O Comando Central do exército dos EUA e a 5ª Frota dos EUA estão sediados em uma base militar permanente dos EUA no Bahrein, um estado cliente reacionário dos EUA no Golfo Pérsico.

É preciso uma grande distorção dos fatos para ver o Irã, que tenta salvaguardar sua soberania e segurança ao largo de sua costa, como o agressor, e os militares dos EUA como os protetores da paz em todo o mundo. Nasser Kanani, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, declarou o óbvio: “a presença militar do governo dos EUA na região nunca criou segurança”. Kanani disse ainda: “estamos profundamente convencidos de que os países do Golfo Pérsico são capazes de garantir sua própria segurança”.

Uma resposta a uma tendência crescente?

Essa escalada militar dos EUA ocorre em um período de diminuição das tensões entre o Irã e os Estados Unidos, movimento acompanhado pelos seus estados clientes na região do Golfo Pérsico. Apesar do fato de as negociações sobre o restabelecimento do acordo JCPOA entre o Irã e os EUA por meio de intermediários não terem sido bem-sucedidas e de ser improvável que o JCPOA seja restabelecido pelo menos antes das eleições de 2024 nos EUA, os dois lados chegaram a alguns acordos e entendimentos.

Atualmente, está em andamento uma troca de prisioneiros entre os dois países, programada para ser concluída dentro de semanas. Além disso, os Estados Unidos estão autorizando a liberação de 6 bilhões de dólares em ativos do Irã. Ao contrário da propaganda dos republicanos e da extrema direita da classe dominante dos EUA, esses não são ativos generosamente dados ao Irã pelo governo Biden. Tudo isso é dinheiro do próprio Irã, congelado na Coreia do Sul depois que Trump reimpôs unilateralmente as sanções ao Irã em 2018. Há até mesmo relatos sobre a possibilidade de os dois países chegarem a outros acordos nesse ínterim, sem necessariamente reativar o JCPOA.

O relacionamento do Irã com as monarquias reacionárias do Golfo Pérsico melhorou substancialmente nos últimos meses. O Irã e a Arábia Saudita retomaram as relações diplomáticas, o que se manifestou de forma expressiva na reabertura de embaixadas nas duas capitais, Teerã e Riad. Da mesma forma, o Irã retomou as relações diplomáticas com os Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Bahrein, Omã e outros.

Por que a escalada?

Em meio à atual atmosfera de distensão no Golfo Pérsico, é altamente improvável que as monarquias do Golfo estejam correndo para os EUA reclamando proteção naval. A explicação pode muito bem estar no fato de que o império precise projetar força constantemente.

Do ponto de vista da classe dominante imperialista dos EUA, já é ruim o suficiente que as monarquias da região tenham feito acordos com o Irã. Pior ainda é o fato de a Arábia Saudita e outros países terem expandido muito suas relações com a China. Os líderes da Arábia Saudita e de outras monarquias da região não podem ser acusados de serem Estados independentes dos EUA, mas parece que eles estão se precavendo. Eles não estão indo contra os Estados Unidos, mas não veem razão para necessariamente copiar a hostilidade dos EUA em relação à China ou ao Irã.

Em março deste ano, o principal comandante das forças dos EUA no Oriente Médio, o general do Exército Michael Kurilla, disse à Câmara dos Deputados: “O Irã de 2023 não é o Irã de 1983 […] Na verdade, o Irã de hoje é exponencialmente mais capaz militarmente do que era há cinco anos”.

Embora o domínio global do imperialismo dos EUA tenha sofrido uma erosão em muitos aspectos, não há dúvida de que a força militar dos EUA é inigualável. Portanto, os Estados Unidos podem estar jogando a carta mais forte de sua mão – suas Forças Armadas e, nesse caso, sua força naval. Diante da realidade do aumento da força militar do Irã, os EUA podem estar aumentando sua presença militar no Golfo Pérsico para basicamente reafirmar sua posição e declarar enfaticamente: ” o Império ainda está aqui”.

Liberation News o Liberation é o jornal do Party for Socialism and Liberation (PSL), dos Estados Unidos.

Continue lendo

guerra
Vijay Prashad: a guerra dilacera o coração da humanidade
europa
A crise de moradia alimenta a ascensão da extrema-direita na Europa
Neuralink
De Los Alamos à Neuralink: a humanidade deve resistir à sua incessante reconstituição apocalíptica

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel