Pesquisar
,

Inteligência artificial da vaidade

“Robôs influenciadores”, a última moda do tecnocapitalismo: eternamente jovens, nunca se cansam de trabalhar e produzem capital sem precisar de um salário
Catherine Lo Bianco
Lil Miquela, a robô-influenciadora acompanhada por 2,7 milhões de seguidores humanos. (Foto: Lil Miquela / Youtube)

George Eliot representou a confusão gerada pela ignorância, pelo erro e pela vaidade. Em Adam Bede, seu primeiro romance, somos conduzidos por um caminho byrônico de rosas em meio a ervas daninhas venenosas, até chegarmos ao final miserável da pequena Hetty Sorrel. Ela é bonita e está apaixonada por um nobre rico e quer subir os degraus brilhantes da prosperidade social e da riqueza. Como uma das crianças de uma grande ninhada de lavradores, considerando a época e o local em que a história se passa (Inglaterra do final do século XVIII), o matrimônio dela com um homem rico e com títulos é pura fantasia.

Fisicamente, Hetty é um diamante em meio à rudeza da vida rural. A pequena idiota olha para si mesma e admira os lóbulos de suas orelhas no espelho à noite, à luz de uma vela acesa. Uma fantasia vã está no centro de sua existência. Por isso, Eliot se lança sobre ela como uma onda do oceano. O autor faz Hetty sofrer por sua beleza, seu amor por bugigangas e roupas, sua falta de profundidade interior e visão, sua vaidade.

Se ao menos Hetty tivesse os recursos necessários para melhorar sua vida de verdade, de modo que pudesse nutrir a inteligência, a consciência e o cuidado com os outros, em vez de fantasias vãs e seduções vazias! A garota é um tipo de Emma Bovary. Em seu leito de morte, ela grita para Deus – sua consciência -, mas ele está surdo, enterrado profundamente sob os escombros da negligência. Aqui, a anedota de Boccaccio é pertinente: você pode colocar maquiagem, joias, perfumes e roupas finas em um burro, mas ele sempre será um burro. A vã futilidade do materialismo: não há coisas suficientes no mundo para combater o vazio dentro de Emma Bovary; o ritmo febril de seus gastos aumenta na mesma proporção da profundidade de sua queda.

Hetty, Emma e até Narciso precisavam de espelhos para satisfazer sua vaidade. Mas nenhum espelho se compara a milhares de conjuntos de olhos humanos reativos. No entanto, o desenvolvimento de um produto digital que oferece um aumento quantitativo sem precedentes de olhos potencialmente invejosos não é, obviamente, a única característica fundamental que distingue essas figuras do mundo contemporâneo. Uma mutação tecnológica predatória nos meios de vaidade está se desenvolvendo. Há uma relação simbiótica entre a vaidade e a Inteligência Artificial que continua a fundir o eu físico ao seu duplo digital, essa prótese intangível para o ego. Essa Inteligência Artificial a serviço da vaidade também é uma ferramenta do mercado, que continua a criar sujeitos sob a influência da febre inaceitável do consumo ostensivo.

O “olhe para mim” das plataformas de compartilhamento de fotos não é apenas o fim único da vaidade. A autoexposição também é um mercado em expansão exponencial chamado de “influência”, que faz o capitalista ganancioso salivar. O valor de um influenciador é medido em atenção e dados: um perfil popular tem grande autoridade sobre a procura por produtos. Em 2021, os influenciadores publicaram 3,8 milhões de anúncios no Instagram. Os seguidores se submetem aos ditames dos feeds de moda do Instagram, e a quantidade deles dita a autoridade do influenciador: da igreja ao totalitarismo e à televisão, o influenciador de mídia social é uma nova peça na cadeia de fornecedores de autoridade, com a distinção óbvia de que eles orientam os seguidores principalmente em questões de gosto, estilo de vida e moda. A criação de conteúdo no Instagram é predominantemente relacionada à beleza e à moda, muito mais do que ao entretenimento ou a qualquer outra categoria.

Há uma ligação clara entre o imperativo da beleza, a conformidade estéril com suas normas e ideais – o que é indispensável para o setor – e a Inteligência Artificial (IA). As ferramentas e os softwares de IA e de Realidade Aumentada (RA) oferecem aos consumidores oportunidades sem precedentes em termos de técnicas de modificação da beleza. As ferramentas de software de edição ajudam os usuários a construir um eu virtual ideal que pode ocupar o centro do palco no lugar do eu físico e defeituoso da realidade cotidiana. Uma malha 3D – tecnologia de reconhecimento facial adaptada aos fins da vaidade – é aplicada para suavizar e tonificar uma tez irregular, preencher e colorir os lábios, endireitar o nariz e aumentar os olhos. Até mesmo o duplo digital do eu físico precisa usar uma máscara.

Há mais de um século, os membros protéticos foram projetados para os amputados da Primeira Guerra Mundial de acordo com propósitos utilitários e funcionais. O eu virtual que habita a tela-espelho é uma prótese intangível, não para o corpo físico, mas para o ego, e é estruturada de acordo com os preceitos de gastos desnecessários e hiperconsumismo. É de se perguntar se, quando um usuário é pressionado a manter sua existência sem o apêndice do ego, a falta lhe dói como uma amputação.

É certo que, como se repete com frequência, os aplicativos de mídia social incitam ou exacerbam uma longa lista de males sociais. Mas não devemos nos esquecer de como eles podem ser uma força positiva para ajudar a romper os obstáculos tradicionais – obstáculos, por exemplo, para se tornar famoso e viver seus sonhos. Agora que o mundo tem a Meta, qualquer pessoa pode viver sua melhor versão da vida. O influenciador sobe os degraus brilhantes até os picos de riqueza e popularidade enquanto grita para o mundo: “Siga seus sonhos!

A realidade é que, por trás do influenciador, há um poder pronto para apagar e esmagar os sonhos das pessoas comuns, suprimir as lutas da classe trabalhadora, colocar a crise climática em segundo plano, promover a desinformação e fazer circular propaganda pró-guerra, tudo de acordo com as estratégias de lucratividade dos principais acionistas da Meta, que também gerenciam cinicamente os negócios dos senhores da guerra da Lockheed Martin e dos mercadores de sonhos da Disney. Mas agora estamos mais absorvidos do que nunca em uma realidade em que o que mais importa são as aparências, e a verdade que se dane.

Baudrillard reconheceu que a prótese do eu virtual, assim como os sonhos e a Disney, não é real. Mas os lucros obtidos no ano passado com esse produto intangível – quase 114 bilhões de dólares – são reais. O capital proveniente dessa doutrinação em massa para o culto do eu continua a atingir picos cada vez mais altos; à medida que os padrões de vida ficam cada vez mais baixos, os pobres podem admirar os influenciadores ricos a partir de uma visão panorâmica.

A supermodelo humana Bella Hadid, para a campanha da marca Calvin Klein chamada “Speak my Truth” (Fale a minha verdade), disse o seguinte: “a vida é abrir portas, criar novos sonhos que você nunca imaginou que pudessem existir”. A influenciadora virtual Lil Miquela incorpora as possibilidades de expansão da IA e da realidade virtual a serviço de ideais de beleza, vaidade e consumo material. Várias empresas de moda de primeira linha iniciaram parcerias com ela. Ela guia milhões de pessoas na arte do luxo esterilizado. Ela é uma insígnia brilhante da astúcia capitalista, a coisa com a qual eles têm sonhos molhados: a garota virtual é eternamente jovem, nunca se cansa de trabalhar e produz capital sem precisar de um salário. Ela também não está sujeita à limitação humana de se recusar a promover uma marca porque ela é contrária à sua ética. Em 2019, ela lançou um novo single. Adivinhe qual era o nome? “Money“! (Dinheiro).

Lil Miquela é uma robô de software, mas isso não impede que seus seguidores perguntem “Qual é o seu regime de cuidados com a pele?”. Graças à Inteligência Artificial, até mesmo as modelos ficarão desempregadas. Miquela posa com seus “amigos”, “compartilhando o amor”; ela é uma robô sexy, talentosa, em forma, enérgica, autossatisfeita e desejada, vestindo roupas caras de marcas de luxo. Os sorrisos são feitos mecanicamente.

A história por trás dela é que, inicialmente, Miquela foi programada como uma robô sexual para os Illuminati antes de ser resgatada por uma empresa de tecnologia que se tornou sua família robótica adotiva. Sua “confissão” como robô foi uma grande revelação pública. Recentemente, ela beijou Hadid no comercial da Calvin Klein sobre “novos sonhos que você nunca soube que poderiam existir”. Há três componentes nessa história ridícula que fazem de Miquela uma figura de grande influência – um histórico de trauma, marginalidade social e uma crise de identidade, que a levam a perseguir seus sonhos pré-programados e a incentivar seus seguidores a fazer o mesmo. Aqui está um de seus posts patrocinados para a Samsung:

“Como robô, descobri que os humanos gostam muito de me dizer o que eu não posso fazer. O #TeamGalaxy e meu robô da @samsungmobile, Samuel Phonington III, me lembram que tudo é possível. #DoWhatYouCant (FaçaOqueVocêNãoPode) hoje ??? #ad”

Lil Miquela, a robô de vaidade artificial com lábios inflados, com a barriga exposta, com dentes escancarados e que exala políticas identitárias, é emblemática das contradições que se encontram como uma ferida purulenta na consciência do nosso mundo “desenvolvido”. Os técnicos por trás dela falam o jargão da política conformista de esquerda, parabenizando-se por abraçar a voz da alteridade, enquanto as vozes das mulheres vietnamitas na fábrica da Samsung são silenciadas sob ameaças de perda de emprego. “Tudo é possível” para um perfil gerado por computação gráfica que ganha 8 mil dólares por cada publicação patrocinada, mas às mulheres que vivem na fábrica da Samsung é negado o direito humano básico de respirar ar puro. Os seguidores estão tão acostumados à realidade virtual na tela espelhada quanto o amputado está à sua prótese; assim como os trabalhadores ameaçados estão ao silêncio.

As revoltas da Revolução Industrial formaram o cenário sócio-histórico de Adam Bede; as vidas dos personagens de Eliot se desenrolaram no contexto da mudança de valores sob a erosão de modos de vida mais simples e enraizados. A revolução digital em curso forma o nosso cenário contemporâneo e, à medida que o valor é cada vez mais medido por meios intangíveis – os olhos de seguidores anônimos -, pode-se perguntar: que punição Eliot imaginaria para uma Hetty Sorrel de hoje? Talvez Eliot não precisasse depender muito da imaginação. Continuamos a nos aprofundar em nossos próprios infernos personalizados por algoritmos; à medida que a atração insaciável da tela-espelho distrai os seguidores da realidade da situação difícil do nosso mundo, os despreocupados se enchem de objetos inúteis e os influenciadores criam para si mesmos um culto à imbecilidade e ao mau gosto, enquanto o horror do resultado cada vez mais provável de um holocausto climático ou nuclear – o que vier primeiro – fica em segundo plano. A Meta está trabalhando para estabelecer um cenário sintético em que as relações digitais entre os sujeitos formarão o ambiente principal da existência humana. O Metaverso busca impor – com a submissão voluntária das massas – uma vida substituta, rotulada de “futuro”, embalada como “sonhos que você nunca soube que poderiam existir” e vendida como um bem comum. Acho que essa parece ser uma punição apropriada.

ARENA Fundada em 1963 como um fórum de debate da "Nova Esquerda" da Austrália, a Arena é uma revista trimestral.

Continue lendo

balikatan china
Vijay Prashad: os Estados Unidos reúnem o esquadrão contra a China
carros eletricos
EUA-China: o problema com os carros elétricos
palestina
Palestina: contra o solucionismo

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel