Pesquisar
,

Vijay Prashad: o notável declínio da liderança do Norte Global

O desconcertante é que grande parte da população do Norte Global deseja um cessar-fogo imediato em Gaza, mas seus líderes ignoram suas opiniões
Vijay Prashad | Tradução de Raul Chiliani
O presidente dos EUA, Joe Biden, durante participação no programa “Late Night with Seth Meyers”. 26/02/2014. (Foto: Official White House Photo / Adam Schultz)

Um grupo de jovens em Paris está tomando um drinque em um café numa noite notavelmente quente. A conversa se desvia para a política, mas – como diz uma jovem – “Não vamos falar sobre a França”. Os outros acenam com a cabeça em concordância. O foco deles é a eleição presidencial dos EUA, e, com um pouco de arrogância francesa, eles zombam da quase certeza de que os principais candidatos serão o presidente Joe Biden e o ex-presidente Donald Trump. Biden tem 81 anos e Trump tem 77. Um conselheiro especial dos Estados Unidos chamou Biden de “homem idoso com memória fraca”, palavras que dificilmente inspiram confiança no presidente. Tentando se defender, Biden cometeu o tipo de gafe que serve de combustível para memes na internet e confirmou o relatório que ele tentou minar: ele chamou o presidente Abdel Fattah El-Sisi do Egito de “presidente do México”. Enquanto isso, não são necessárias novas evidências para zombar da candidatura de Trump. “É isso o melhor que os Estados Unidos podem oferecer?”, pergunta Claudine, uma jovem estudante de uma prestigiada faculdade parisiense.

Esses jovens estão suficientemente cientes de que o que parece ser cômico do outro lado do Atlântico – a eleição presidencial dos EUA – não é menos ridículo e, obviamente, menos perigoso na Europa. Quando pergunto a eles o que pensam sobre os principais líderes europeus – Olaf Scholz, da Alemanha, e Emmanuel Macron, da França – eles dão de ombros, e as palavras “imbecil” e “não-entidade” entram na discussão. Perto de Les Halles, esses jovens acabaram de participar de uma manifestação para acabar com o bombardeio israelense na região de Rafah, em Gaza. “Rafah é do tamanho do Aeroporto de Heathrow”, diz um jovem estudante da Inglaterra que está passando o ano de 2024 na França. O fato de nenhum dos líderes europeus ter falado claramente sobre a morte e a destruição em Gaza os preocupa, e eles dizem que não estão sozinhos nesses sentimentos. Muitos de seus colegas estudantes têm a mesma opinião. Os índices de aprovação de Scholz e Macron diminuem a cada semana. Nem o público alemão nem o francês acreditam que esses homens possam reverter o declínio econômico ou interromper as guerras em Gaza ou na Ucrânia. Claudine está irritada com o fato dos governos do Norte Global terem decidido cortar o financiamento para a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA), a agência da ONU para a Palestina, embora outro jovem, Oumar, tenha dito que o presidente do Brasil, Lula, afirmou que seu país doará dinheiro para a UNRWA. Todos acenam com a cabeça.

Uma semana depois, chega a notícia de que um jovem soldado da Força Aérea dos Estados Unidos, Aaron Bushnell, decidiu tirar a própria vida, dizendo que não será mais cúmplice do genocídio contra os palestinos. Quando perguntada sobre a morte de Bushnell, a assessora de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse que o presidente está “ciente” e que se trata de uma “tragédia horrível”. Mas não houve nenhuma declaração sobre o motivo pelo qual o jovem tirou a própria vida, e nada para acalmar um público tenso sobre as implicações desse ato. Tomando um sorvete em Nova York, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que esperava que houvesse um cessar-fogo “até o início do fim de semana”, mas depois mudou para “até a próxima segunda-feira”. As declarações hesitantes, a promessa de um cessar-fogo juntamente com a dissimulação e as entregas de armas não aumentam a confiança de ninguém em Biden ou em seus pares na Europa. Com o emir do Catar ao seu lado, o presidente da França, Emmanuel Macron, pediu um “cessar-fogo duradouro”. Essas frases – “cessar-fogo duradouro” e “cessar-fogo sustentável” – têm sido usadas com esses adjetivos (duradouro, sustentável) para diluir o compromisso com um cessar-fogo e para fingir que eles são realmente a favor do fim da guerra enquanto continuam dizendo que apoiam os bombardeios de Israel.

Em Londres, o Parlamento do Reino Unido teve um colapso cômico diante de uma resolução do Partido Nacional Escocês (SNP) a favor de um cessar-fogo. Em vez de permitir que uma votação mostrasse as opiniões reais de seus membros, tanto o Partido Trabalhista quanto o Partido Conservador entraram em parafuso e o presidente do Parlamento quebrou as regras para garantir que as autoridades eleitas não tivessem que se manifestar oficialmente contra o cessar-fogo. Brendan O’Hara, do SNP, colocou a questão claramente diante do Parlamento antes de suas palavras e de a resolução do SNP ser deixada de lado: “Alguns terão que dizer que optaram por se envolver em um debate semântico sobre pausas ‘sustentáveis’ ou ‘humanitárias’, enquanto outros dirão que optaram por dar a Netanyahu tanto as armas quanto a cobertura política de que ele precisava para prosseguir com sua guerra implacável”.

O anseio global por uma interrupção imediata dos bombardeios israelenses está agora em seu ponto mais alto. Pela terceira vez, os Estados Unidos vetaram uma resolução da ONU no Conselho de Segurança para obrigar os israelenses a interromper os bombardeios. O fato de os Estados Unidos e seus aliados europeus continuarem apoiando Israel apesar do repúdio generalizado a essa guerra – exemplificado pela morte de Aaron Bushnell – aumenta a frustração com a liderança do Norte Global. O que é particularmente desconcertante é que grande parte da população dos países do Norte deseja um cessar-fogo imediato e, ainda assim, seus líderes desconsideram suas opiniões. Uma pesquisa mostra que dois terços dos eleitores nos Estados Unidos – incluindo maiorias de democratas (77%), independentes (69%) e republicanos (56%) – são a favor de um cessar-fogo em Gaza. É interessante notar que 59% dos eleitores americanos dizem que deve ser garantido aos palestinos o direito de voltar para suas casas em Gaza, enquanto 52% dizem que devem ser realizadas negociações de paz para uma solução que envolva dois Estados. Todas essas posições são ignoradas pela maior parte da classe política de ambos os lados do Oceano Atlântico. As expressões “duradouro” e “sustentável” apenas aumentam o cinismo entre as populações que observam suas lideranças políticas ignorararem sua insistência em um cessar-fogo imediato.

A clareza não deve ser procurada na Casa Branca, no número 10 da Downing Street ou no Palácio do Eliseu. Ela pode ser encontrada nas palavras das pessoas comuns desses países que estão desoladas com a violência. Os protestos parecem aumentar de intensidade à medida que o número de mortos aumenta. Qual é a reação a esses protestos? No Reino Unido, membros do parlamento reclamaram que esses protestos estão colocando a polícia sob “pressão constante”. Esse talvez seja o objetivo dos protestos.

(*) Vijay Prashad é um historiador, editor e jornalista indiano. É redator bolsista e correspondente-chefe da Globetrotter. É editor da LeftWord Books e diretor do Tricontinental: Institute for Social Research. Escreveu mais de 20 livros, incluindo The Darker Nations e The Poorer Nations. Seus livros mais recentes são Struggle Makes Us Human: Learning from Movements for Socialism e (com Noam Chomsky) The Withdrawal: Iraq, Libya, Afghanistan, and the Fragility of U.S. Power;

(*) Tradução de Raul Chiliani

Globetrotter O Globetrotter é um serviço independente de notícias e análises internacionais voltado aos povos do Sul Global.

Continue lendo

europa
A crise de moradia alimenta a ascensão da extrema-direita na Europa
Neuralink
De Los Alamos à Neuralink: a humanidade deve resistir à sua incessante reconstituição apocalíptica
balikatan china
Vijay Prashad: os Estados Unidos reúnem o esquadrão contra a China

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel