Pesquisar
,

Haiti: grupos armados somam forças para exigir a renúncia do primeiro-ministro

Enquanto enfrenta risco de novo golpe de Estado, Haiti vira ferramenta de disputa entre republicanos e democratas às portas das eleições dos EUA
Jake Johnston e Chris François
Um homem tenta apagar incêndio em uma rua de Porto Príncipe, no Haiti, em janeiro de 2010. (Foto: Marco Dormino / UN Photo)

No dia 29 de fevereiro, os diversos grupos armados da capital haitiana de Porto Príncipe e dos arredores uniram suas forças e iniciaram uma série de ataques coordenados contra instituições estatais. Em uma coletiva de imprensa improvisada naquela tarde, o ex-policial Jimmy “Barbecue” Chérizier, que foi sancionado pelos EUA e pela ONU e supostamente esteve envolvido em vários massacres desde 2017, anunciou que os grupos armados haviam se unido e que seu “primeiro objetivo é garantir que o governo de Ariel Henry não esteja mais no poder”.

Nos dias seguintes, homens armados atacaram universidades e escolas, incendiaram delegacias de polícia, invadiram o principal porto da capital, que recebia suprimentos essenciais de alimentos, e libertaram milhares de prisioneiros das principais cadeias do país. Grupos armados também atacaram o aeroporto, fechando-o indefinidamente, em uma aparente tentativa de impedir a volta de Henry, que estava no Quênia assinando um acordo para levar mil policiais ao Haiti. Em 8 de março, grupos armados atacaram a área ao redor do Palácio Nacional.

Os grupos armados adotaram uma retórica revolucionária, prometendo derrubar “o sistema” que produziu tremenda desigualdade. No entanto, a esmagadora maioria das vítimas da última onda de distúrbios está entre os mais pobres – a própria população pela qual esses líderes afirmam estar lutando.

Em 5 de março, depois que casas e empresas de sua base na comuna de Delmas foram saqueadas, Chérizier novamente realizou uma coletiva de imprensa para pedir perdão, não apenas para si mesmo, mas para todos os outros associados à nova coalizão, que se chama “Viv Ansamn“, ou “Viver Juntos”.

“Ao povo haitiano, por favor, perdoe a todos da Viv Ansanm por todas as coisas erradas que fizeram a vocês. Hoje, temos uma grande oportunidade diante de nós para mudar o sistema que temos atualmente”, disse Chérizier.

No entanto, é improvável que a população se esqueça tão rapidamente. Os homicídios quase triplicaram no ano passado, e os sequestros, estupros e outros tipos violência sexual dispararam nos últimos anos. Mais de 350 mil pessoas foram deslocadas; comunidades inteiras se esvaziaram sob a ameaça da violência.

Durante alguns dias de relativa calma, a polícia retomou o controle do principal porto e reforçou os muros do aeroporto. Mas os ataques parecem ter aumentado novamente nos últimos dias, com o porto saindo do controle da polícia mais uma vez e suprimentos médicos fundamentais sendo roubados. Muitos hospitais e instalações médicas da área da capital fecharam ou estão com suprimentos perigosamente baixos. No domingo, a empresa nacional de eletricidade informou que sua infraestrutura havia sofrido repetidos ataques.

Na quinta-feira, 14 de março, uma casa do chefe de polícia Frantz Elbe foi incendiada. Durante o fim de semana, várias pequenas empresas no centro da cidade foram destruídas e tiveram seus suprimentos saqueados, enquanto grupos armados atacaram um bairro que abriga vários ex-funcionários e funcionários atuais do governo. Na segunda-feira, a mídia local relatou ataques durante a madrugada no bairro de Laboule, nas colinas acima de Porto Príncipe.

Os grupos armados semearam o terror em toda a capital e criaram uma crise humanitária, mas seria um erro desconsiderar o apelo de sua retórica – independentemente de sua sinceridade. Como o ex-ministro do Interior Reginald Delva explicou em uma entrevista recente, grande parte da população se sente presa entre “as gangues”, uma força policial que perdeu a confiança da população e uma classe política que apoiou e deu cobertura a esses mesmos grupos armados.

“Não são apenas as pessoas armadas que prejudicaram o país, mas também os políticos”, disse Chérizier à Al Jazeera na semana passada. Com Henry concordando em renunciar, “nossa luta entrará em outra fase – derrubar todo o sistema, o sistema que representa 5% das pessoas que controlam 95% da riqueza do país”, acrescentou.

“A mensagem deles pode repercutir junto ao público porque é uma realidade”, disse o professor Robert Fatton em uma entrevista recente, “mas isso não significa que as soluções que eles estão oferecendo sejam soluções reais. Quero dizer, esses caras não têm nenhum programa, nenhuma visão real. Eles têm sido extremamente violentos com os mais pobres. Portanto, é difícil ver como eles se diferenciariam quando estivessem no poder.”

Primeiro-ministro de facto renuncia, de certa forma

Após quase uma semana inteira de silêncio e sem poder retornar ao Haiti devido ao fechamento dos aeroportos em meio a ataques de grupos armados, o primeiro-ministro de facto, Ariel Henry, divulgou uma breve mensagem em vídeo no dia 11 de março anunciando sua disposição de renunciar após a formação de um novo governo de transição – que está sendo negociado em um processo apoiado pelos Estados Unidos e pela CARICOM.

Henry tentou retornar ao Haiti no dia 5 de março, fretando um jato particular em Nova Jersey na tentativa de voar para a República Dominicana e depois pegar um helicóptero de volta a Porto Príncipe. Entretanto, segundo o jornal Miami Herald, enquanto Henry estava no ar, os EUA pediram que ele renunciasse. Em seguida, as autoridades dominicanas negaram autorização para o pouso do avião. Henry foi parar em Porto Rico, onde permanece desde então.

Na ausência de Henry, o governo – tal como existe – está sendo dirigido pelo ministro da Fazenda Michel Patrick Boisvert, que também não se pronunciou publicamente desde que os grupos armados iniciaram seus ataques coordenados há mais de duas semanas. O ministro da Justiça, que estava fora do país, supostamente visitando a família na França quando os aeroportos fecharam, também ainda não pôde retornar.

Henry, no entanto, não parece disposto a simplesmente desaparecer no exílio. Em 13 de março, seu porta-voz disse à CNN que somente Henry poderia fazer nomeações para o novo conselho presidencial que está sendo negociado atualmente. “Não entregaremos o país a apenas um grupo de pessoas sem seguir os procedimentos. Estamos em crise como país, mas devemos nos manter dentro da lei e dar um bom exemplo”, disse o porta-voz.

É claro que Henry foi nomeado primeiro-ministro por decreto do falecido presidente Jovenel Moïse apenas dois dias antes de Moïse ser assassinado. Devido à falta de um parlamento em funcionamento, Henry nunca foi constitucionalmente empossado no cargo. Em meio a uma luta pelo poder após o assassinato, os EUA e a ONU instaram Henry a formar um governo, o que aconteceu em questão de dias. Henry, que governou sem nenhuma autoridade eleita em todo o país durante a maior parte do tempo em que esteve no cargo, tornou-se o primeiro-ministro mais longevo da história do Haiti no mês passado.

Negociações políticas ocorrem na Jamaica

Durante a maior parte do último ano, as negociações políticas têm ocorrido de forma intermitente entre a sociedade civil, os partidos políticos de oposição e a coalizão de governo de Henry. Em junho de 2023, a CARICOM organizou um processo de diálogo em Kingston, Jamaica, para tentar reunir as partes. Desde então, um grupo de ex-líderes caribenhos viajou várias vezes ao Haiti para tentar intermediar um acordo. Embora a sociedade civil e outros tenham proposto há muito tempo um conselho de transição que poderia atuar verdadeiramente para controlaro poder de Henry, esses apelos têm sido continuamente prejudicados pelo apoio estrangeiro a Henry e por sua própria falta de vontade de ceder.

No entanto, depois de anos apoiando o profundamente impopular Henry, os EUA e outros países se voltaram contra ele em meio à rápida mudança da situação no local. Com Henry preso em Porto Rico, os EUA e a CARICOM rapidamente relançaram as discussões com muitos dos mesmos atores que haviam participado das tentativas de negociação anteriores.

No dia 11 de março, os líderes da CARICOM, juntamente com o Secretário de Estado Blinken e outros diplomatas estrangeiros, anunciaram seu apoio à formação de um conselho presidencial de transição composto por sete membros votantes e dois observadores. (Para saber mais sobre o processo de negociação e as possíveis armadilhas, consulte esta análise do Pesquisador Associado Sênior Jake Johnston).

O conselho ainda não tomou corpo formalmente, muito menos nomeou um novo primeiro-ministro ou formou um novo governo. O Pitit Dessalines, partido do ex-candidato presidencial Moïse Jean Charles, recusou-se a participar. “A Caricom não pode nos apresentar uma serpente de sete cabeças”, disse ele à imprensa, insistindo na instalação de um conselho diferente de três membros, que ele está apoiando. “Tomaremos o destino de nosso país em nossas próprias mãos com outros líderes para que nosso Conselho Presidencial de três membros possa avançar”, acrescentou. (Veja abaixo mais informações sobre o conselho proposto por Moïse Jean Charles).

Ironicamente, o maior problema responsável pelo atraso no anúncio do conselho presidencial apoiado pela CARICOM foi a nomeação de um representante do Acordo de 21 de dezembro, a coalizão política que apoiou Henry. Em 17 de março, os atores ainda não haviam chegado a um acordo sobre seu representante no conselho, enquanto todos os outros setores representados no conselho já haviam feito suas indicações.

Outra tentativa de formar um conselho presidencial

Rejeitando o conselho proposto pela CARICOM, Moïse Jean-Charles está apoiando uma alternativa com três membros que foi anunciada dias depois do início dos ataques coordenados na capital. Também está apoiando esse conselho Guy Philippe, ex-policial e líder paramilitar que ajudou a derrubar o governo democraticamente eleito em 2004. Mais tarde, ele foi preso e transferido para os EUA, onde se declarou culpado de lavagem de dinheiro relacionada ao tráfico de drogas, passando mais de seis anos em uma prisão norte-americana. Ele foi deportado de volta ao Haiti no final de 2023 e, desde então, vem incitando à expulsão de Henry.

Embora nenhuma aliança explícita tenha sido anunciada entre os grupos armados e Philippe, parece que suas ações foram coordenadas. Ao retornar ao Haiti, Philippe afirmou ser o único capaz de enfrentar os grupos armados. Entretanto, suas tentativas de entrar na capital e substituir Henry em 7 de fevereiro não deram certo. Após semanas de silêncio, Philippe ressurgiu com essa nova proposta de governança e começou a falar sobre anistia para os grupos armados.

Philippe e Jean-Charles afirmam ter o apoio de centenas de outros partidos políticos e organizações da sociedade civil. “A decisão da Caricom não é nossa decisão”, disse Philippe na semana passada. “Os haitianos decidirão quem governará o Haiti.” Embora muitos estejam, com razão, devido ao seu passado, céticos quanto às intenções finais de Philippe, a retórica contrasta fortemente com o relativo silêncio dos atores políticos que participam das negociações apoiadas pela CARICOM.

Em uma entrevista em 10 de março, Philippe explicou melhor o que queria dizer com anistia: “Primeiro, haverá a Comissão da Verdade, porque o povo precisa saber como chegamos a esse ponto, quem armou esses jovens, quem lhes deu armas, como eles funcionam. Uma vez que você saiba a verdade e entenda como as coisas funcionam, você deve ter justiça.”

Philippe tem se manifestado fortemente contra qualquer envio de tropas estrangeiras ao Haiti: “Então, agora, todos gostariam que uma força da ONU matasse e assassinasse todas essas pessoas. Para que o que elas sabem, nós nunca saibamos.”

Honduras exige “não-intervenção”

Como atual presidente da CELAC, um grupo regional que não inclui os EUA ou o Canadá, Honduras solicitou formalmente uma consulta urgente com a Colômbia e São Vicente e Granadinas para discutir a situação no Haiti. A “troika” de países representa o presidente anterior da CELAC, o presidente atual e o próximo presidente.

Em uma declaração solicitando a reunião, a presidente hondurenha Xiomara Castro observou que, na Declaração de Kingstown aprovada pelos chefes de estado da CELAC em 1º de março, a região concordou que “a crise atual exige uma solução liderada pelo Haiti que englobe um amplo diálogo entre a sociedade civil e os atores políticos”. Embora a declaração tenha afirmado seu apoio à resolução do Conselho de Segurança da ONU que autoriza o envio do Quênia, Castro escreveu: “Sob nenhuma justificativa devemos permitir uma ação militar que viole o Princípio da Não-Intervenção e o Respeito à Autodeterminação dos Povos”.

Na recente cúpula da CELAC, o presidente venezuelano Nicolás Maduro foi o único líder a se manifestar contra o envio planejado de forças estrangeiras ao Haiti. O Brasil, embora se recuse a assumir qualquer papel direto na missão liderada pelo Quênia, ofereceu apoio diplomático e foi co-anfitrião de uma arrecadação de fundos para a Missão Multinacional de Apoio à Segurança na reunião do G20 do mês passado. O México está atualmente participando do processo de negociação liderado pela CARICOM e pelos EUA.

Intervenção policial liderada pelo Quênia é suspensa temporariamente

No dia 12 de março, o Quênia anunciou que estava suspendendo o envio de policiais ao Haiti como parte da Missão Multinacional de Apoio à Segurança (MSS) autorizada pelo Conselho de Segurança da ONU e financiada pelos EUA. Um funcionário do governo disse à imprensa que o Quênia avaliaria a situação assim que um novo governo fosse instalado. No dia seguinte, o Secretário de Estado dos  EUA, Antony Blinken, conversou diretamente com o presidente do Quênia, William Ruto, para “discutir o envio rápido” da força. Ruto acompanhou a conversa com uma declaração publicada nas mídias sociais, afirmando que “o Quênia assumirá a liderança” da MSS.

Mais tarde, Ruto acrescentou mais detalhes, dizendo que havia conversado com o primeiro-ministro canadense Trudeau, com o primeiro-ministro das Bahamas, Philip Davis, e com Ariel Henry. “Além disso, delineei nosso plano de enviar uma missão de reconhecimento assim que uma administração viável estiver em vigor, garantindo que nosso pessoal de segurança esteja adequadamente preparado e informado para responder efetivamente à situação em evolução”, escreveu Ruto.

Há uma contestação judicial em curso no Quênia em relação ao envio, embora o governo tenha se comprometido anteriormente a seguir em frente, independentemente disso. Ainda assim, o envolvimento do Quênia tornou-se uma questão política importante dentro do país. No dia 14 de março, o ex-presidente da Suprema Corte do Quênia, Willy Mutunga, que se opôs publicamente à missão, escreveu no Twitter: “Estamos sabendo que alguns de nossos policiais da equipe avançada no Haiti foram mortos. Estou pedindo ao [Inspetor Geral da Polícia] e ao [Secretário do Gabinete] de Segurança Interna que respondam à minha pergunta. Se for verdade, as famílias envolvidas não devem se calar sobre a tragédia.”

Além da questão política interna no Quênia, há também uma questão orçamentária.

Nas negociações políticas apoiadas pela CARICOM, o Secretário de Estado Blinken anunciou um financiamento adicional de 100 milhões de dólares do Pentágono para a MSS. Os fundos seriam destinados à preparação de “instalações no terreno no Haiti”, de acordo com uma coletiva de imprensa realizada por um funcionário não identificado do Departamento de Estado.

O Quênia, no entanto, já havia solicitado o pagamento adiantado dos custos da missão. Isso, conforme reportado pela Reuters na semana passada, complica a questão do financiamento. A maior parte das contribuições para a MSS – incluindo até 100 milhões de dólares do Departamento de Estado – passará por um fundo fiduciário administrado pela ONU. Até o momento, no entanto, esse fundo tem apenas 11 milhões de dólares. O maior problema, no entanto, é que “as regras da ONU exigem que os fundos administrados por ela sejam usados apenas para reembolsar custos já incorridos”, informou a Reuters.

“A contribuição do Departamento de Estado pode ir para o reembolso ou até mesmo para o financiamento de alguns salários e outras atividades”, disse à reportagem o funcionário não identificado do Departamento de Estado. “As atividades de treinamento são algo em que já estamos trabalhando para reembolsar o Quênia. Eles já realizaram muitos treinamentos. Mas é preciso haver uma variedade de mecanismos de financiamento.”

Em termos do próprio fundo da ONU, o funcionário observou que os “termos de referência […] ainda estão sendo refinados […] e como esse fundo fiduciário funcionará, e se haverá ou não um mecanismo para pagar antecipadamente os custos das nações contribuintes, ainda está sendo debatido”.

Embora claramente não seja o principal motivo pelo qual a MSS foi adiada, o governo Biden e os membros democratas do Congresso colocaram a culpa diretamente nos republicanos, que estão atrasando parte do financiamento do Departamento de Estado.

O Haiti se torna um joguete político nos EUA

A crise no Haiti se transformou, como era de se esperar, em um ponto de inflamação política interna nos Estados Unidos. Com a eleição presidencial norte-americana a apenas sete meses de distância, é improvável que essa dinâmica mude.

Em 7 de março, a agência de notícias McClatchy noticiou que o governo Biden estava alertando “os republicanos de alto escalão do Congresso que uma força multinacional para o Haiti não poderá ser enviada a menos que eles retirem sua retenção de longa data sobre a liberação de fundos importantes dos EUA”. O Departamento de Estado havia enviado uma solicitação meses atrás aos comitês de relações exteriores da Câmara e do Senado sobre a realocação de fundos previamente aprovados para a MSS liderada pelo Quênia. Embora um montante inicial de 10 de dólares milhões tenha sido distribuído, os republicanos bloquearam até agora os fundos restantes.

“Dois outros altos funcionários do governo disseram que o fracasso do Congresso em fornecer os fundos poderia colocar em risco os compromissos dos aliados, que também se comprometeram a contribuir com a missão”, informaram a McClatchy e o Miami Herald.

Em 12 de março, o senador Jim Risch e o deputado Michael McCaul, ambos republicanos, divulgaram uma declaração em resposta ao governo Biden, observando que “depois de anos de discussões, repetidas solicitações de informações e fornecimento de financiamento parcial para ajudá-los a planejar, o governo só nos enviou nesta tarde um plano crítico para enfrentar essa crise. Resta saber se ele é ‘confiável e implementável'”.

No mesmo dia, o Deputado Hakeem Jeffries, o principal democrata da Câmara, enviou uma carta ao Presidente da Câmara Mike Johnston declarando: “O Congresso deve se juntar ao governo Biden em seu trabalho crucial e enfrentar o momento cumprindo nossa responsabilidade essencial de garantir a segurança no Hemisfério Ocidental e liberar a alocação total de financiamento de 50 milhões de dólares imediatamente.”

O senador democrata Tim Kaine, presidente do subcomitê de Relações Exteriores do Senado relacionado ao Hemisfério Ocidental, disse ao The New Republic: “A força de segurança era necessária meses atrás, mas agora é realmente necessária… Seria um desastre se eles dissessem: ‘Bem, não podemos fazer isso porque os EUA não estão cumprindo seu compromisso'”.

Apesar dos apelos dos democratas e das autoridades do Departamento de Estado, conforme observado acima, a implantação da MSS está enfrentando obstáculos muito além do financiamento, bloqueado pelos republicanos.

Há, no entanto, outra preocupação que tem marcado o debate político em Washington. “Se não liberarmos o dinheiro para que os quenianos possam vir e fazer o que precisam fazer, eles estarão aumentando a chance de um maior problema de migração para os Estados Unidos”, disse o deputado Greg Meeks a repórteres na semana passada.

E, de fato, os republicanos começaram a fazer mais barulho sobre a migração do Haiti. Em 12 de março, o deputado Matt Gaetz questionou os oficiais do Pentágono sobre seus planos de contingência caso houvesse um aumento na migração do Haiti. No dia seguinte, a CNN informou que o governo Biden estava considerando usar suas instalações na Baía de Guantánamo para deter migrantes haitianos interceptados no mar. O governador da Flórida, Ron DeSantis, mobilizou a “Divisão de Gerenciamento de Emergências, a Guarda Estadual da Flórida e a polícia estadual para enviar mais 250 policiais e soldados para a costa sul da Flórida”, informou o POLITICO.

Os “temores” de migração do Haiti estão sendo alimentados por tropos racistas apresentados por algumas das pessoas mais influentes do mundo. “O bilionário do setor de tecnologia Elon Musk e especialistas de direita na Internet estão usando como arma alegações não verificadas de canibalismo vindas do conflito para promover uma agenda política sobre imigração”, informou a NBC.

Em 15 de março, o candidato republicano à presidência, Donald Trump, escreveu nas mídias sociais: “Centenas de milhares de pessoas estão entrando em nosso país vindas do Haiti”.

Há uma longa história de democratas que implementam políticas de imigração draconianas que têm como alvo os haitianos em anos eleitorais, como uma tentativa geralmente fútil de atenuar as críticas dos republicanos, como Jake Johnston, do CEPR, detalha em seu livro recente, Aid State.

(*) Jake Johnston é pesquisador associado sênior do Centro de Pesquisa Política e Econômica (CEPR). Chris François é estagiária do programa internacional do centro.

(*) Tradução de Raul Chiliani

CEPR O Center for Economic and Policy Research (CEPR) é um think-tank fundado em 1999 pelos economistas Dean Baker e Mark Weisbrot para promover debates sobre questões econômicas e sociais nos EUA.

Continue lendo

internacional
Qual é a eficácia dos empréstimos e da assistência internacional?
guerra
Vijay Prashad: a guerra dilacera o coração da humanidade
europa
A crise de moradia alimenta a ascensão da extrema-direita na Europa

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel