Pesquisar
, ,

EUA vs. China: uma luta que chegou até a Terra do Fogo, na Argentina

O anúncio de Milei sobre a instalação de uma base militar dos EUA na cidade mais austral do mundo, na Argentina, é parte de uma disputa geopolítica global
Juan Manuel Lazzarino
A general Laura Richardson, comandante do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), é recebida pelo presidente argentino Javier Milei. (Foto: U.S. Embassy Argentina)

As “forças do céu” concordaram em se defender contra “o mal”. Embora essa possa parecer uma declaração esotérica, beirando o absurdo, ambas as caracterizações foram expressas e seu significado metafórico acompanhou uma das maiores mobilizações militares da história. A construção de uma ampla base naval dos EUA em Ushuaia, na Terra do Fogo, anunciada pelo presidente argentino, Javier Milei, durante a visita da chefe do Comando Sul dos EUA, Laura Richardson, é mais um capítulo de uma estratégia nascida há quase um século, que levou os EUA a ter centenas de instalações militares fora de suas fronteiras. Do “triângulo de lítio” até o ponto mais austral, o sul do “quintal” está agora lançando as bases para o que será a 76a base na América Latina.

O assunto voltou à tona por causa do anúncio, mas há duas constantes que se mantêm verdadeiras sempre que alguém dedica algum tempo ao assunto: cada vez menos pessoas acreditam que as posições militares dos EUA fora de suas fronteiras são para combater o terrorismo e o tráfico de drogas; e o número de instalações está aumentando a cada ano.

Em seu livro Base Nation: How US Military Bases Abroad Harm America and the World (2015), o ativista da Coalizão para o Realinhamento e Fechamento de Bases Militares no Exterior e professor da Universidade Americana de Washington, David Vine, estimava que existiam 750 bases militares norte-americanas em todo o mundo. Atualmente, estima-se que existam 800 e, com base em anúncios recentes, a tendência não parece estar diminuindo.

O que começou como uma estratégia de contenção política e militar projetada por George Kennan para sufocar a União Soviética agora se volta exclusivamente para a China, o novo mal.

Venho propor um proprietário

“Quero anunciar uma nova doutrina de política externa para a Argentina. A definição de alianças estratégicas é um elemento central de uma política externa inteligente. Mas essas alianças não podem ser baseadas simplesmente em interesses econômicos, elas devem estar ancoradas em uma visão comum do mundo”, disse Milei durante o anúncio, depois que o hino dos Estados Unidos da América foi tocado duas vezes.

É aí que entra “o mal” que Richardson nomeou ad nauseam em sua apresentação à Câmara dos Deputados dos EUA. E, assim como o mais fraco é claro, o mal é a China.

“Me parece que isso faz parte do jargão usado pela extrema-direita para construir diferentes inimigos. Para Milei, pode ser qualquer coisa, desde o Papa até qualquer governo que proponha alguma regulação da economia; para ele, isso é socialismo e ele enquadra isso em uma leitura que é mais típica da Guerra Fria do que dos dias atuais”, explicou o historiador e pesquisador do Conicet, autor de “Nuestra América frente a la Doctrina Monroe”, Leandro Morgenfeld. “Há pelo menos vinte anos estamos em uma transição em que o mundo está mais multipolar e os Estados Unidos não aceitam isso, então a construção dos adversários como inimigos, como malignos, como outro eixo do mal, como disse George Bush Jr., tem a ver com a justificativa ideológica de algo que tem relação com seus interesses políticos e econômicos”, acrescentou.

E o mal, que vem espreitando o quintal do império desde que comprava soja da oligarquia agropecuária argentina para alimentar seus porcos no início dos anos 2000, agora montou uma estação de observação e estudo espacial na província argentina de Neuquén, além de fazer investimentos em infraestrutura e comércio. Mas se a resposta à iniciativa espacial foi o Centro de Coordenação e Operação de Emergência que o Departamento de Defesa financiou para Mauricio Macri, talvez a nova instalação possa ser explicada pela intenção da China de construir um porto também na Terra do Fogo. O bem e o mal, bases militares e portos. Enquanto alguns veem alinhamento, subordinação e perda de soberania, as forças do céu vêem “uma visão comum do mundo”.

Dessa forma, os EUA estão colocando um pé perto da Antártica, depois de já terem colocado um cotovelo na Hidrovia Paraná-Paraguay , tudo de olho no que a própria Richardson chamou de “triângulo do lítio”. “Eu diria que estamos em uma competição estratégica no hemisfério ocidental com a República Popular da China. Se observarmos o aumento do investimento comercial, a China passou de 18 bilhões em 2002 para mais de 450 bilhões hoje (janeiro de 2023) e está a caminho de crescer para mais de 750 bilhões em um futuro próximo. Temos muito o que fazer, essa região é importante, tem muito a ver com a segurança nacional e temos que intensificar nosso jogo”, disse o chefe do Comando Sul.

“Os Estados Unidos estão perdendo a corrida pelo desenvolvimento econômico e produtivo com a China, estão ficando para trás. Essa é a explicação para o fato de estarem ajustando sua força militar. Eles ainda têm a primazia militar e uma influência política e diplomática incontestável, e é por isso que estão lutando pelo que eles conhecem como quintal. A China é o primeiro ou segundo maior parceiro comercial da região e, como no caso da Argentina, também um credor, superando outros órgãos dominados pelos EUA, como o FMI”, disse Morgenfeld.

Forças dos EUA na América Latina

Nem as bases nem a presença militar dos EUA são exclusivas da Europa e da Ásia. A África tem as suas próprias bases e a América Latina, é claro, também tem as suas. Talvez a mais significativa seja Guantánamo, em Cuba, sobre a qual Washington pôs os pés durante a guerra contra os espanhóis e nunca os retirou. Mas esse está longe de ser o único território cedido às forças dos EUA.

Há 76 posições militares instaladas para baixo do Rio Grande, na América do Norte, divididas entre bases de operações (com valor superior a 10 milhões de dólares, com mais de 200 soldados e sob a órbita do Departamento de Defesa), pequenas bases (com valor inferior a 10 milhões de dólares, e que podem ser administradas em conjunto com o país em que estão) e bases financiadas (de propriedade do país em questão e usadas geralmente como centros de treinamento e instrução). Essas últimas são as mais comuns. Mas, fora dessa classificação, ano após ano, são relatadas instalações não declaradas que as embaixadas negam sistematicamente.

Honduras é o país com o maior número de instalações militares, com nove. Seguem-se Belize e Guatemala, com oito; Panamá, com seis; Peru, El Salvador, Costa Rica e Colômbia, com cinco; Nicarágua tem três; República Dominicana e Equador, duas; e Brasil, Chile, Cuba, Paraguai, Uruguai e Argentina, com uma. A isso se somam as bases no Caribe.

História e números de um velho hábito

A gênese da política militar imperialista em constante expansão, ou pelo menos o grande impulso que a levou a consolidar suas ambições imperiais, pode ser locanizada nos primeiros anos da Segunda Guerra Mundial: depois de abandonar a neutralidade, sob a Lei “Compre e Leve” (Cash and Carry Act), os Estados Unidos venderam armas e tecnologia para a Grã-Bretanha e a França, mas os custos da guerra prolongaram o carry (transporte) e esgotaram o cash (dinheiro). Menos de um ano depois, eles assinaram o Acordo de Destróieres por Bases (Destroyers for Bases Agreement), pelo qual o Reino Unido cedia posições no exterior em troca de ativos de guerra. Foi a primeira amostra de uma espécie de vício que se justificaria com o período da Guerra Fria e a necessidade de ampliar sua presença e expandir suas esferas de influência.

Não é coincidência que o momento em que essa manobra de intervenção foi consolidada esteja refletido nos mapas. A Alemanha ainda é o país com o maior número de bases militares dos EUA no mundo. Cinquenta e dois por cento das bases na Europa, ou 28% de todas as bases, estão localizadas onde um muro dividia o mundo capitalista e o comunista.

Também não é coincidência o fato de que o outro ponto em que o país imperialista estabeleceu bases após a Segunda Guerra Mundial também é seja reduto no Pacífico. O Japão abriga pelo menos 130 bases militares, a maioria delas desenvolvida após 1945. E, após a guerra na península coreana (1950-1953), outras 30 foram acrescentadas na Coreia do Sul. Estima-se que o número médio de soldados em solo japonês seja bem superior a 50 mil, enquanto o número fixo nas bases coreanas é de cerca de 30 mil.

Essa não é, de forma alguma, uma política exclusivamente norte-americana: o Reino Unido, a Turquia, a Austrália, a Itália, a Rússia, a Índia, a Grécia e a China também têm bases militares fora de seus territórios, mas é o número que faz a diferença: as instalações dos EUA representam 95% de todas as instalações estrangeiras do mundo.

(*) Juan Manuel Lazzarino é jornalista especializado em política internacional, apresentador do Ballotrash e delegado sindical no Diario Popular

(*) Tradução de Raul Chiliani

Primera Línea Primera Línea é um meio de comunicação popular argentino comprometido com o seu tempo. Com uma perspetiva feminista, ambiental e latino-americana.

Continue lendo

internacional
Qual é a eficácia dos empréstimos e da assistência internacional?
guerra
Vijay Prashad: a guerra dilacera o coração da humanidade
europa
A crise de moradia alimenta a ascensão da extrema-direita na Europa

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel