Pesquisar
, ,

Gaza: a condenação internacional do genocídio serve para algo?

Quanto mais quisermos enterrar os corpos despedaçados de crianças e idosos sob o solo em Gaza, mais enterraremos nosso futuro internacional com eles
Eva Aladro Vico
Crianças palestinas no campo de refugiados Deishah, na Cisjordânia. (Foto: MissyKel / Flickr)

O Professor Gassan Abu Sitta, cirurgião palestino e reitor da Universidade de Glasgow, foi retido na fronteira alemã há alguns dias, após longas horas de interrogatório. O professor não só foi proibido pelas autoridades alemãs de entrar na Alemanha, como também foi ameaçado de expulsão permanente por delitos penais no país, caso fizesse qualquer declaração sobre o que se passara. Mas este pesquisador afirmou, e esta é a parte mais importante dessa história, que denunciar a situação e analisar o que está acontecendo em Gaza e na Palestina é a forma de praticar a nossa condição humana. Só se não nos calarmos perante o genocídio é que podemos conservar, disse ele, a nossa humanidade: calar é uma forma de a perder.

Este médico aponta a um ponto crucial. O que se passa no Oriente Médio é muitas vezes omitido ou distorcido por atores que gostariam de mudar o sinal claro do que está acontecendo, este “crime dos crimes” único na história recente da humanidade, e que ninguém duvida, com a morte de 14 mil crianças, ultrapassa os limites habituais da crueldade.

É espantoso que a política internacional dos países e das comunidades queira sustentar o engano ou o apagamento de um genocídio desta dimensão. Está sendo exercida pressão para desviar a narrativa dos eventos para além do que realmente está acontecendo. Muitos líderes, grupos de opinião ou nações omitem ou distorcem a condenação urgente. Questionam os números, negam as imagens, justificam o massacre, relativizam-no e até proclamam o direito à vingança.

Mas, como diz o Dr. Abu Sitta, não é a humanidade das vítimas que está em causa, mas a nossa. Porque, na realidade, os que permanecem na obscuridade são aqueles que acreditam que podem sustentar o genocídio no ostracismo. Para as pessoas lúcidas, isto é óbvio, tão óbvio como a terrível realidade do crime de que estamos falando.

Tudo o que acontece nas sociedades humanas define-se no momento em que acontece. Nada acontece em vão. Basta olhar para o futuro para ver o pouco que se consegue quando a sociedade vira as costas à verdade. Em termos de desenvolvimento humanitário e de verdadeiro progresso social, a justiça internacional surge inevitavelmente para apoiar, pela própria força da verdade humana, a denúncia dos crimes e a sua condenação. As instituições e a memória histórica acabam sempre, necessariamente, apoiando aquilo que a opinião universal sensível conhece e sabe.

Vivemos hoje num ambiente global de farsa e de atmosfera rarefeita. A ocultação dos crimes de um país ou de vários países combina-se com os interesses dos traficantes de armas ou com acordos econômicos mutuamente vantajosos. Para além da ética e da moral, para além da legalidade internacional e dos direitos humanos universais, os países desenvolvidos e poderosos contentam-se com a mentira, a ocultação da injustiça e o cinismo, como se nada se passasse e ninguém soubesse da imensa dor que está sendo causada.

É claro que é possível apagar uma civilização do mapa, mas é impossível apagar esse crime da nossa própria consciência, e é essa consciência, profundamente ligada à vida humana, que move o mundo real, não as ilusões do poder ou as figurações de interesses ocultos. 

Tal como as mãos de Lady Macbeth, sempre manchadas de sangue de um crime cometido, sempre trazendo a morte para o palco do teatro, os seus atos sempre permanecerão, vergonhosos e terríveis, perante os nossos olhos. Uma vez cometidos os crimes, por muito que queiramos esquecê-los ou falsificá-los, a consciência humana, hoje transmitida pela comunicação digital, não os pode ignorar. São traços indeléveis que mancham para sempre a legalidade internacional, os organismos supranacionais, a virtual Constituição da Terra que nos deveria reger a todos. As palavras de denúncia e de solidariedade parecem inúteis, mas não o são, porque cada condenação conta, tal como cada vida humana conta.

Uma vida humana é tempo suficiente para provar que aqueles que constroem sobre a morte e a injustiça – neste caso, Israel –, estão cerceando o seu futuro. Não estamos dizendo que receberá olho por olho: estamos dizendo que o próprio país e a comunidade que o sustenta, ao estabelecer este fato irreconhecível no seu núcleo social, arrancou edipianamente os seus próprios olhos: destruindo toda a matriz do seu futuro.

As posições hipócritas e injustas da comunidade internacional que se instalam na decadência perdem o passo com a realidade e não vivem no tempo social, ligado ao sentido da verdade humana. Um país ou grupo de países que não reconhece um crime cometido é simplesmente um fantasma do humano. Mesmo que acreditem acumular poder, definir a história ou manter a influência, estão colocando-se no lugar mais baixo da história humana, distanciando-se da tendência pacífica, igualitária e justa que a escreve.

A condenação internacional, o reconhecimento da injustiça, parecem letra morta e, no entanto, são ações poderosas e urgentes, como está sendo dito. Mesmo que sejam palavras, elas agem como uma manifestação de nossa consciência. Uma vez emitida, a condenação unânime estabelece o alicerce da esperança humana: não o que somos, mas o que queremos ser. Nada apaga do tempo humano a renúncia à humanidade. Nossos políticos não parecem estar cientes de que o que está em jogo é o seu próprio ser naquele momento.

Ninguém tem dúvidas de que Israel será julgado por crimes contra a humanidade. Quanto mais quisermos enterrar os corpos despedaçados de crianças e idosos sob o solo em Gaza, mais enterraremos nosso futuro internacional com eles. A realidade se afastará de nós e a humanidade se afastará de nós. Somos nós, os países que testemunham o que está acontecendo, que somos julgados por cada vida humana à qual negamos justiça.

Estabelecer convicções que ninguém apoia é a forma mais segura de se anular como ator credível no mundo de hoje. É absolutamente falso que a paz possa ser construída através da guerra. O único caminho para a paz é a paz e o cessar-fogo, tal como a única forma de ter um futuro é acreditar que o merecemos. Não se pode esconder um genocídio vivo desta dimensão sem renunciar à integridade humana. A hipocrisia internacional pode durar algum tempo, mas na realidade ela própria está fechando o caminho para o futuro para o futuro. A proclamação da justiça é a única forma de gerar riqueza humana.

(*) Eva Aladro Vico é professora de Teoria da Informação na Universidade Complutense de Madrid.

El Salto El Salto é um meio de comunicação social autogerido, horizontal e associativo espanhol.

Continue lendo

india
Índia: uma autocracia eleitoral
esporte
O esporte como arma política: o caso da Venezuela
PT
O esforço de Lula é inútil: o sonho das classes dominantes é destruir o PT

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel