Pesquisar
,

Cronologia de um motim fracassado: a sedição de Prigozhin e do Grupo Wagner

O motim realizado por Yevgeny Prigozhin, líder do grupo mercenário “Wagner”, aparentemente foi o cume de uma série de disputas do líder mercenário com o ministério da Defesa russo.
O motim realizado por Yevgeny Prigozhin, líder do grupo mercenário “Wagner”, aparentemente foi o cume de uma série de disputas do líder mercenário com o ministério da Defesa russo. Por Misión Verdad – Tradução de Pedro Marin para a Revista Opera
O presidente russo, Vladimir Putin, acompanhado de comitiva, em visita a empresa alimentícia dirigida à época por Yevgeny Prigozhin (à direita), hoje líder do grupo mercenário Wagner. A empresa de Prighozin então era responsável pelo fornecimento de refeições a escolas na região de Leningrado. 20 de setembro de 2010. (Foto: Governo da Federação Russa)

Em menos de 48 horas, uma crise que manteve grande parte da mídia global em estado de alerta foi resolvida: a insurreição armada de Yevgeny Prigozhin, fundador da empresa militar privada (PMC) Wagner, envolvida na guerra na Ucrânia.

Muitas informações tendenciosas foram divulgadas, especialmente a partir da América do Norte e da Europa Ocidental, por isso é imperativo esclarecer os detalhes dos eventos. Dessa forma, poderemos ter uma visão mais clara dos acontecimentos e material suficiente para uma análise dos fatos.

Antecedentes imediatos

O ministro da Defesa da Rússia, General Sergey Shoigu, assinou uma ordem determinando o procedimento para organizar as atividades das “formações voluntárias” no serviço militar. Isso foi relatado pelo vice-ministro Nikolai Pankov no dia 10 de junho.

A ordem obriga as “formações de voluntários” a assinar contratos com o Ministério da Defesa para sua inclusão no comando central da liderança militar russa, com os mesmos benefícios do serviço militar oficial. Essas organizações têm até o próximo dia 1º de julho para se subordinarem às ordens do Ministério.

Até essa data, mais de 13.500 russos haviam assinado contratos com o Ministério da Defesa.

 Leia também – A inexorabilidade do tempo: estratégia e grande estratégia na guerra da Ucrânia 

Entre essas “formações voluntárias” estão empresas militares privadas, como a Wagner, que não têm regulamentação na Federação Russa. A assinatura de contratos lhes daria o status legal necessário para continuar seus serviços.

No dia seguinte, em 11 de junho, surgiram relatos de que Yevgeny Prigozhin se recusou a assinar qualquer contrato com o Ministério da Defesa da Rússia.

Em 13 de junho, o presidente Vladimir Putin disse que apoiava a ordem do Ministério da Defesa.

Nos meses anteriores, Prigozhin havia feito declarações públicas contra a liderança militar da Rússia, especificamente contra o Ministério da Defesa e o ministro Shoigu, em várias questões relativas à Operação Militar Especial (OME) russa na Ucrânia e no Donbass, especificamente sobre a preparação da Batalha de Bakhmut e alguns de seus desdobramentos.

Por exemplo, em 2 de junho, Prigozhin disse que o exército russo havia plantado minas nas rotas de saída do Wagner em Bakhmut. Como resultado, o Grupo Wagner capturou o tenente-coronel Roman Venevitin e o submeteu a um interrogatório publicado pelo serviço de assessoria de imprensa do grupo mercenário.

 Leia também – Entre as bombas e os patrões: como está a classe trabalhadora na Ucrânia? 

O blogueiro militar que publica sob o nome de “Simplicius The Thinker” publicou um relatório com uma série de mentiras – verificadas por dados concretos no campo de batalha – que o chefe do Wagner proferiu sobre a situação da guerra no terreno na Ucrânia e no Donbass.

Em resumo, Prigozhin teria mentido sobre:

– Áreas capturadas pelo exército ucraniano que, na verdade, estão sob controle russo.

– O papel agressivo e genocida de Kiev sobre a população do Donbass.

– As razões pelas quais a OME foi implantada, diminuindo o papel da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e do Estado ucraniano nas origens do conflito.

– As intenções do governo de Vladimir Zelensky de negociar um acordo de paz.

– O suposto mau planejamento da OME.

Em outras palavras, Prigozhin tem apontado o dedo para o Ministério da Defesa – e não diretamente para o presidente Putin – como culpado por ter criado um casus belli para a implantação da OME, argumentando que a “verdadeira causa” dessa guerra é que os oligarcas russos precisam dela. Falácias comprovadas por uma análise dos fatos.

O fundador da Wagner tem um ressentimento com o ministro Shoigu e o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas russas, general Valery Gerasimov, a quem ele acusou pessoalmente de tomar decisões “estúpidas” ao dar “ordens criminosas” enquanto “enganava” o presidente Putin sobre a OME.

Não menos importante, o The Washington Post publicou uma entrevista com o presidente ucraniano Zelenski em 13 de maio, na qual ele revelou a existência de um canal de contato entre seu governo e Prigozhin, de acordo com um documento vazado do Pentágono. Zelenski não negou a informação, mas pareceu alarmado com o vazamento e a mídia dos EUA excluiu essa parte da entrevista, que foi resgatada pela agência de notícias russa RT.

Durante esses dias, surgiram relatos de supostos acordos entre Zelenski e Prigozhin para ceder posições russas no campo de batalha ucraniano.

Cronologia de uma insurreição fracassada

Em uma série de vídeos divulgados na sexta-feira, 23 de junho, Prigozhin acusou o Ministério da Defesa russo e o ministro Shoigu de “tentar enganar a sociedade e o presidente e nos dizer que houve uma agressão tresloucada da Ucrânia e que eles estavam planejando nos atacar com toda a OTAN”.

Ele também acusou o Ministério da Defesa russo de lançar um ataque mortal com mísseis em um acampamento do Wagner, e prometeu retaliação.

 Leia também – A armadilha da dívida do FMI na Ucrânia 

O Ministério da Defesa da Rússia negou a acusação, alegando que se tratava de uma “provocação informativa”.

Prigozhin declarou que “o conselho de comandantes da PMC Wagner tomou uma decisão: o mal trazido pela liderança militar do país deve ser interrompido”.

Ele prometeu marchar até Moscou – a “Marcha da Justiça” – e chamar à responsabilidade os supostos responsáveis.

Pouco tempo depois, o carismático comandante militar russo na Ucrânia, general Sergey Surovikin, conclamou publicamente as tropas do Wagner a se submeterem às autoridades “antes que seja tarde demais”, a retornarem aos quartéis e a resolverem suas queixas pacificamente.

O Serviço Federal de Segurança (FSB), na sexta-feira, chamou o levante de “rebelião armada” e disse que iria abrir um processo. O quartel-general do Wagner em São Petersburgo foi isolado e o Gabinete do Procurador-Geral disse que “esse crime é punível com prisão de 12 a 20 anos”.

Em um pronunciamento à nação no sábado, 24 de junho, em Moscou, o presidente Vladimir Putin condenou veementemente os eventos, descrevendo-os como “um motim armado” e pedindo a “consolidação de todas as forças”.

Ele condenou “todos os tipos de aventureiros políticos e estrangeiros” que poderiam se beneficiar “da situação, dilacerando o país para dividi-lo”.

O presidente Putin prometeu que aqueles “que organizaram e prepararam um motim militar, que pegaram em armas contra seus camaradas, que traíram a Rússia” seriam punidos.

Em seu discurso à nação, Putin não chegou a alegar qualquer “mão estrangeira” nos eventos atuais, observando que “ambições excessivas e interesses pessoais levaram à traição”, referindo-se a Prigozhin sem citar seu nome.

No sábado, 24, Prigozhin e os combatentes do Wagner que seguiram seu chamado afirmaram estar a caminho de Rostov-on-Don, 700 km ao sul de Moscou. Essa é a localização da base de comando regional da Rússia, onde está sediado o Distrito Militar do Sul.

Imagens publicadas pela agência RT mostram as consequências da passagem do Wagner em Rostov-on-Don, com ruas cheias de lixo e marcadas com rastros de tanques. O vídeo também mostra os portões danificados do circo local, onde os combatentes do Wagner haviam estacionado um tanque no dia anterior.

Foi relatado que, durante o dia de sábado, 24, houve negociações entre Prigozhin e o presidente de Belarus, Aleksandr Lukashenko, para impedir a marcha do Wagner para Moscou. O chefe do Grupo Wagner aceitou a proposta de Lukashenko. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, deu detalhes do acordo:

– O processo criminal contra o fundador da empresa militar privada Wagner, Yevgeny Prigozhin, será arquivado.

– O indivíduo deixará a Rússia e revelou que “irá para Belarus”. Ele não entrou em detalhes sobre o que o empresário fará no país vizinho.

– Ele acrescentou que os combatentes do Wagner não serão processados, levando em conta seus esforços nas frentes do conflito ucraniano. Peskov explicou que a equipe do presidente Vladimir Putin “sempre respeitou suas façanhas”.

– Os contratados da PMC Wagner que se recusaram a participar do motim poderão assinar contratos com o Ministério da Defesa russo. Dos 32.000 combatentes da Wagner, apenas cerca de 8.000 participaram da “rebelião”, de acordo com dados compilados pelo blogueiro militar “Simplicius The Thinker”.

Por sua vez, o serviço de comunicação do presidente Lukashenko publicou o seguinte:

“Esta manhã, o presidente russo Vladimir Putin informou seu colega bielorrusso sobre a situação no sul da Rússia com a empresa militar privada Wagner. Os líderes acordaram ações conjuntas.

Após os acordos, o presidente bielorrusso, depois de esclarecer a situação por meio de seus próprios canais, manteve conversas com o chefe da PMC Wagner, Yevgeny Prigozhin, em coordenação com o presidente russo.

As conversas duraram um dia inteiro. Como resultado, eles concordaram com a inadmissibilidade de desencadear um banho de sangue no território da Rússia. Yevgeny Prigozhin aceitou a proposta do presidente Alexander Lukashenko de interromper o movimento de combatentes do Wagner rumo à Rússia e de tomar outras medidas para diminuir as tensões.

Por enquanto, uma opção absolutamente vantajosa e aceitável para resolver a situação, com garantias de segurança para os combatentes do Wagner PMC, está na mesa.

Conforme relatado anteriormente, durante a reunião de hoje, o presidente de Belarus realizou duas reuniões com o bloco de segurança do país sobre essa situação”.

Em conclusão, o porta-voz do Kremlin disse que, apesar de um dia crítico “cheio de eventos trágicos”, os eventos não teriam nenhum impacto sobre a Operação Militar Especial (OME). Dessa forma, Moscou conseguiu reprimir uma insurreição armada, no contexto da guerra na Ucrânia, com um terceiro elemento de mediação aliado, em menos de 48 horas.

Continue lendo

campo refugiados def
Israel desobedece a CIJ e provoca novo massacre em campo de refugiados de Gaza
internacional
Qual é a eficácia dos empréstimos e da assistência internacional?
guerra
Vijay Prashad: a guerra dilacera o coração da humanidade

Leia também

palestina_al_aqsa
Guerra e religião: a influência das profecias judaicas e islâmicas no conflito Israel-Palestina
rsz_jones-manoel
Jones Manoel: “é um absurdo falar de política sem falar de violência”
Palmares
A República de Palmares e a disputa pelos rumos da nacionalidade brasileira
Acampamento de manifestantes pedem intervenção militar
Mourão, o Partido Fardado e o novo totem [parte I]
pera-9
A música dos Panteras Negras
illmatic
‘Illmatic’, guetos urbanos e a Nova York compartimentada
democracia inabalada
Na ‘democracia inabalada’ todos temem os generais
golpe bolsonaro militares
O golpe não marchou por covardia dos golpistas
colono israel
Os escudos humanos de Israel